Solução é buscar comissões locais do ProUni, diz MEC

Orientação é para alunos bolsistas do ProUni que se sentirem vítimas de preconceito em sala de aula

Mariana Lenharo, JORNAL DA TARDE

29 Novembro 2010 | 10h48

Ainda não existem projetos para institucionalizar o debate sobre o preconceito contra alunos do ProUni dentro das universidades, segundo a Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação (MEC). A orientação é a de que os alunos que se sentirem vítimas de situações discriminatórias procurem as Comissões Locais de Acompanhamento e Controle Social do ProUni, que atualmente estão presentes em 4.100 universidades conveniadas ao programa.

 

Essas comissões são formadas por representantes dos estudantes, dos professores e de dirigentes da instituição – e têm como finalidade acompanhar e fiscalizar a implementação do ProUni nas unidades, além de atender denúncias, dúvidas ou sugestões sobre o programa. De acordo com o MEC, as Comissões Locais mantêm contato com a Comissão Nacional de Acompanhamento e Controle Social do ProUni. Assim, os problemas apresentados a elas serão analisados em âmbito nacional.

Mais conteúdo sobre:
ProuniMECpreconceitobolsistas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.