Sob chuva e (muita) pressão

Centro de Gerenciamento de Emergências é responsável por decretar estado de atenção

Paulo Saldaña, Especial para o Estadão.edu

23 Fevereiro 2010 | 00h27

Em meio a dias traumáticos de alagamentos em São Paulo, uma chuva mais intensa já provoca tensão no Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da Prefeitura. O órgão ocupa uma pequena sala estrategicamente posicionada ao lado da Central de Operações da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). A chuva aperta e técnicos da CET começam a lotar a sala: "Não é hora de decretar estado de atenção?", repetem.   Saiba mais:  A equação do clima  Onde estudar meteorologia  Física aplicada  Evitando tragédias   Na tela do computador, manchas coloridas identificam em tempo real a movimentação, localização e intensidade da chuva. Os especialistas do CGE têm de analisar essas imagens e demais informações do tempo para decidir se é hora de acionar os órgãos competentes. "Nosso trabalho é mais de monitoramento", explica o meteorologista Michael Pantera.   Equipe do CGE tenta prever chuvas com poucas horas de antecedência. JONNE RORIZ/AE   Além das imagens em tempo real – enviadas por um radar meteorológico –, o CGE conta com pluviômetros espalhados pela cidade e monitora pontos de alagamento. Recebe ainda informações já interpretadas da Somar Meteorologia, com a qual tem uma parceria. "Também ficamos atentos ao frio, à baixa umidade e à seca na cidade", diz o especialista em análise de risco Luiz Reis.   Apesar da análise de outras variáveis, a chuva é o fator que recebe mais atenção no CGE. "Pela manhã, traçamos o boletim para o dia. Mas é difícil prever um temporal, por exemplo", diz Pantera. "Nesse contexto, uma previsão com antecedência de três horas já é de curtíssimo prazo." Antecipar fenômenos climáticos é um desafio muitas vezes inglório.   O meteorologista Alexandre Nascimento, da Climatempo, afirma que hoje o índice de acerto é bem alto, mas piadas sobre erros já fazem parte da cultura do País. "As pessoas nascem dizendo que a gente nunca acerta", brinca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.