Só 28% dos inscritos na Fuvest estudaram em escola pública

Número é quase igual ao do ano passado, apesar dos programas de inclusão criados pela USP

Estadão.edu

24 Setembro 2010 | 14h17

Apenas 28,4% dos 132.969 inscritos no vestibular 2011 da Fuvest estudaram todo o ensino médio em escola pública. O porcentual só é 0,2 ponto melhor que o registrado no ano passado, apesar dos esforços da Universidade de São Paulo (USP) em criar programas de inclusão.

 

Segundo dados divulgados nesta sexta-feira, 24, pela fundação que seleciona alunos para a USP e a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa, o número total de candidatos cresceu 3,75% em relação ao ano passado. É a primeira vez que aumenta a procura pelo vestibular da Fuvest após quatro anos seguidos de queda. "O total poderá sofrer ainda leves alterações nos próximos dias, após a solução de algumas pendências bancárias ligadas à inscrição", afirma, em nota, a entidade.

 

A Fuvest oferece, ao todo, 10.752 vagas, sendo 10.652 para a USP e 100 para a Santa Casa.

 

Os candidatos inscritos no Programa de Inclusão Social da USP (Inclusp) somam 34.155 (25,7% do total). No ano passado, eram 25,4%.

 

Criado em 2007 para ampliar o acesso dos estudantes de escolas públicas à USP, o Inclusp dá bônus de até 12% na nota do vestibular para esses alunos e também os isenta da taxa de inscrição.

 

O programa já passou por modificações. Inicialmente, o oriundo do ensino público tinha só 3% de bônus universal. Em 2009, a USP incluiu, além dessa taxa, um bônus de até 6% pela nota do Enem e até 3% pelo Programa de Avaliação Seriada (Pasusp), prova que faz parte do Inclusp e é aplicada anualmente para a rede pública.

 

Com a impossibilidade de utilizar o Enem em 2009, foi criado o "bônus Fuvest", que também garante até 6% de acordo com o desempenho do candidato no próprio vestibular.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.