Sindicato pede reunião com reitor para tratar de ocupação e greve na USP

Reitoria ainda não tem resposta a pedido

Paulo Saldaña, Estadão.edu

10 Junho 2010 | 12h56

O Sindicato dos Trabalhadores da Universidade de São Paulo (Sintusp) publicou nota no início da tarde desta quinta-feira solicitando reunião com o reitor João Grandino Rodas. O docuumento é endereçado ao reitor, mas foi divulgado aos veículos de imprensa porque o Sintusp afirma não saber onde encontrá-lo.

 

 

Esse é o primeiro gesto de diálogo desde que a reitoria foi ocupada por grevistas e estudantes, na terça-feira (8). A reitoria também não havia proposto conversa com o movimento.

 

 

Segundo o sindicato, o objetivo desse encontro é tratar do pagamento dos grevistas que tiveram o salário cortado - que motivou a ocupação do prédio - e a abertura de negociação salarial com o Conselho de Reitores da Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp).

 

 

A assessoria de imprensa da reitoria informou que recebeu há pouco o comunicado. Ainda não há resposta por parte do reitor.

 

 

Veja a íntegra da nota:

 

 

"Magnífico Reitor da USP

Prof. Dr. João Grandino Rodas

Sem ter conhecimento do local onde encontra-lo, o Comando de Greve dos Trabalhadores da USP, recorre aos veículos de comunicação e à internet, para reiterar publicamente a proposta de realizarmos uma nova reunião da Comissão de Representantes dos Trabalhadores em greve, com a reitoria da USP.

Nossos objetivos são:

01) Assegurar o pagamento imediato dos dias descontados dos salários de aproximadamente 1000 (um mil) trabalhadores (as), que se encontram em greve;

02) A imediata abertura de negociações entre o CRUESP e o Fórum das Seis, visando o restabelecimento da isonomia entre funcionários e professores da USP, UNESP e UNICAMP, conforme o acordo firmado entre o próprio CRUESP e o Fórum das Seis, em 1991 e a busca de acordos e torno dos demais itens da pauta unificada.

03) Estabelecer um protocolo para a negociação dos itens da pauta especifica.

E para que não restem duvidas a respeito de quem quer ou não negociar, este Comando de Greve propõe a realização dessa e das próximas reuniões em local aberto, para que a comunidade universitária, a imprensa e principalmente a população, possam ver e ouvir. Nada temos a ocultar de quem paga não só os nossos salários, mas também o salário a aposentadoria, a verba de representação e as diárias do Magnífico Reitor.

Sendo só para o momento, aguardamos vosso retorno.

São Paulo, 10 de Junho de 2010.

Ass. Comando de Greve dos Funcionários da USP."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.