TABA BENEDICTO/ ESTADAO
TABA BENEDICTO/ ESTADAO

Simulador de nota no Enem: Saiba como calcular o seu desempenho

Prova federal usa Teoria de Resposta ao Item, modelo que 'pune' chutes nas questões

Luiz Carlos Pavão, Especial para o Estadão

21 de janeiro de 2021 | 05h00

O número de questões que um candidato acerta no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) dá uma pista de seu desempenho, mas não é suficiente para calcular a nota final. Isso porque o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) utiliza um método de correção, chamado de Teoria de Resposta ao Item (TRI), que leva em conta a coerência das respostas do participante diante do conjunto das questões da prova.

Pela TRI, errar perguntas fáceis e ir bem nas questões complexas leva a uma "punição" na nota. Estatisticamente, seria improvável o candidato ter acertado apenas as difíceis e, portanto, provavelmente houve chute. Conforme o nível de dificuldade de cada pergunta, o Inep elabora uma função matemática para cravar quanto de conhecimento o candidato tem em cada questão da prova.

“Como esse sistema também avalia os candidatos do mesmo ano da prova, ele é mais justo porque consegue, entre duas pessoas que fizeram 30 acertos, saber qual tem uma maior coerência entre as questões", diz o educador e especialista em Enem, Mateus Prado.  

Nesta edição do exame, a divulgação dos resultados finais ocorrerá só no fim de março de 2021. Mas, para os candidatos que estão ansiosos para pelo menos estimar qual será esta nota e simular as chances de ingressar em uma universidade, sites oferecem ferramentas que ajudam a calcular o desempenho do participante.

‘Sua Nota no Enem’

O site ajuda os candidatos do Enem a calcular a nota a partir da quantidade de acertos na prova. De acordo com Diego Camacho, fundador e sócio da TRIEduc Inteligência Educacional, é feito um pré-teste, em que são identificados os parâmetros das questões aplicadas no Enem.

“Quando o Inep divulga publicamente as bases de dados chamadas microdados do Enem estão as marcações de respostas de todos os alunos que participaram de determinada edição e quais foram as notas de cada um”, explica. Com esses dados, é aplicado um algoritmo de TRI que foi desenvolvido pela empresa.

“Depois de vários estudos e testes, conseguimos alcançar um valor muito próximo da nota oficial que os candidatos que participaram das edições do Enem de 2013 até 2019 tiveram", afirma. Os candidatos que fizeram a simulação do último Enem, diz, tiveram 17 pontos de diferença, em média, em relação à nota oficial divulgada pelo Inep.

O Sua Nota do Enem foi lançado em dezembro de 2019. O cadastro é gratuito. Nesta edição do exame, o site tem parceria da AIO Educação, plataforma dedicada ao desenvolvimento de simulados adaptativos a cada aluno. 

‘Descomplica’

O site Descomplica também criou um simulador do gabarito do Enem. Para usar, é necessário acessar o simulador de notas do site e escolher a cor do caderno de questões que recebeu ao fazer o exame. Feito isso, é necessário indicar a língua estrangeira que foi escolhida.

O passo seguinte é marcar as respostas. No cartão-resposta virtual, é preciso marcar as respostas conforme foi preenchido na prova. Realizadas essas etapas, é necessário realizar um cadastro e, então, o simulador calcula uma estimativa do resultado.

 

‘Me Salva’

O site Me Salva oferece duas opções ao candidato do Enem para chegar a uma nota final. A primeira é inserir o número de acertos de cada um das quatro áreas da prova no sistema e gerar uma simulação da nota obtida no exame.

A outra opção é inserir as informações manualmente no sistema, escolhendo a cor da prova, o teste de língua estrangeira realizado e quais foram as respostas para cada alternativa. Há também a opção de calcular a nota de corte do Sistema de Seleção Unificado (Sisu) de cada instituição de ensino.

De acordo com o site, a nota é gerada com base nas notas de pessoas que tiveram o mesmo número de acertos em edições anteriores do Enem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.