Sete estudantes entraram na UFBA fraudando cotas

A Universidade Federal da Bahia (UFBA) identificou mais quatro casos de fraude no sistema de contas raciais no vestibular de 2005, segundo a Pró-Reitoria de Graduação da instituição. Assim, chega a sete o número de estudantes que conseguiram entrar na UFBA burlando, de alguma forma, o sistema. As matriculas dos fraudadores foram canceladas e seus nomes enviados para o Ministério Publico Federal para serem processados. Três dos estudantes se disseram afrodescendentes e apresentaram certificado de conclusão do ensino médio através de exame supletivo, mas na verdade haviam estudado em escolas particulares, o Gregor Mendes e o Colégio Versalhes. Já o quarto apresentou, na matrícula, certificados falsos de ter estudado no Colégio Estadual Odorico Tavares, quando na verdade é formado pelo particular Colégio Integral. De acordo com a procuradora jurídica da UFBA, Anna Guiomar, a universidade está concluindo a checagem de todos os dados relacionados com os alunos que entraram pelo sistema de cotas raciais no ano passado, para iniciar o exame das matrículas deste ano. Contudo, ela acredita que, como o escândalo dos primeiros casos teve ampla divulgação pela imprensa, eventuais fraudadores do vestibular deste ano não apareceram para se matricular, pois sabiam que seriam descobertos. A UFBA reserva 45% das vagas para afrodescendentes e índios, mas eles só podem se beneficiar das cotas se tiverem cursado os ensinos fundamental e médio em escola pública.

Agencia Estado,

09 de junho de 2006 | 16h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.