Servidores de universidades federais aceitam acordo

Os servidores das universidades federais devem voltar ao trabalho até o final desta semana, depois de 71 dias de greve. Representantes dacategoria assinaram na quarta-feira um acordo final junto com os ministros da Educação, Tarso Genro, e do Planejamento, Guido Mantega."Foi um resultado bom para os servidores e bom para o País. Uma vitória exemplar do diálogo", disse Tarso.Apesar de mais de dois meses de greve, o governo federal decidiu não descontar os dias parados dos servidores.Segundo Tarso, o certo seria que o desconto fosse feito, mas a União reconheceu que houve problemas da sua parte na negociação, que poderia ter resolvido o problema do plano de carreira dos servidores antes mesmo da greve. Daí a decisão de manter os salários.Os servidores obtiveram o reajuste do piso salarial de R$ 492 para R$ 701 a partir de março de 2005 e a incorporação de duas gratificações no salário-base. Além disso, foi atendida a principal reivindicação, de implantação de um plano de carreira. Apenas o plano dará reajustes que vão de 32% a 116% aos servidores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.