Antonio Scarpinetti|Divulgação
Antonio Scarpinetti|Divulgação

Servidores da Unicamp ocupam Reitoria e Justiça determina multa de R$ 5 mil por bloqueios no campus

Funcionários estão em greve há 45 dias e reivindicam maior reajuste de benefícios

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

05 Julho 2018 | 11h23

SÃO PAULO -  Em greve há 45 dias, os servidores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) ocuparam a Reitoria e fizeram bloqueios em entradas do campus para reivindicar aumento salarial e de benefícios. O reitor Marcelo Knobel diz que a situação financeira da universidade impossibilita o reajuste solicitado.

+ Unicamp tem greve de funcionários por reajuste salarial

Os servidores pedem que o vale-alimentação seja reajustado de R$ 850 para R$ 1080. A instituição propôs pagar R$ 950. Os funcionários também reivindicam reajuste de 12,6%, mas a proposta da Unicamp é de 1,5%. 

"Vivemos uma situação financeira bastante delicada, com a previsão de chegar ao fim do ano com um déficit de R$ 240 milhões. Os valores que propusemos são o máximo que podemos dar neste momento. Mais do que isso é impossível", diz Knobel. 

Os servidores ocuparam o prédio administrativo da reitoria na terça-feira, 3. Eles dizem que querem discutir o reajuste do vale-alimentação e o desconto dos dias parados. O Estado entrou em contato com o Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU), mas ninguém foi localizado para comentar. 

A Unicamp também ingresosu com uma ação judicial após o sindicato ter feito um bloqueio nas entradas de acesso ao campus. Nesta quarta-feira, 4, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) determinou multa de R$ 5 mil ao sindicato a cada vez que houver bloqueio. 

Universidades. O Cruesp, conselho de reitores de USP, Unicamp e da Universidade Estadual Paulista, propôs reajuste de 1,5%, sob justificativa de restrições financeiras. O Fórum das Seis – entidade que representa sindicatos de professores e funcionários das três instituições – pedia 12,6%. O valor é necessário, diz a entidade, para compensar as perdas dos últimos cinco anos. 

Os reitores alegam que as universidades não têm condições financeiras para um reajuste maior. Na Unicamp, por exemplo, o reajuste de R$ 100 no vale-alimentação representa R$ 11,5 milhões a mais nas contas. 

Em 2017, o Cruesp não deu reajuste, alegando “alto comprometimento de orçamento com a folha de pagamento”. À época, o gasto com salários superava em 4% os repasses que as instituições recebem do Estado. As três estaduais recebem cota fixa de 9,57% da arrecadação estadual do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). 

Nos primeiros cinco meses deste ano, nenhuma das três ultrapassou o repasse com o gasto com servidores. As universidades receberam R$ 3,93 bilhões do Estado, sendo R$ 3,61 bilhões para o pagamento dos salários. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.