Senac ensina patchwork e modelagem de graça

No ano passado, os cursos deram incentivo a 2 mil alunos. Indiretamente, atingiram cerca de 10 mil pessoas, uma vez que as informações e as técnicas aprendidas por quem freqüenta o Senac são depois repassadas às comunidades. E é exatamente esse o objetivo do projeto. Os temas foram, desde o início, desenvolvidos de acordo com as necessidades da sociedade. ?O curso de patchwork surgiu quando percebemos que as comunidades carentes muitas vezes recebiam retalhos como doação?, diz a coordenadora do projeto, Daniella Ambrogi de Oliveira. ?Não ensinamos só a técnica. Falamos sobre estética das cores e história da arte, entre outros assuntos.? As peças são produzidas em dobro. Uma delas fica no Senac, para ser vendida e ajudar na compra de material para o curso ? a entidade também aceita doações. A outra é levada pelos alunos, que podem colocá-las em bazares e feiras. Moradora da Penha, Jéssica Inajá Moreira de Almeida, de 18 anos, participa de um dos projetos, o Brilho da Terra, voltado para jovens. Ela produz bijuterias e está encantada com a participação em uma feira do setor, a Folhexpo 2002. ?Acho que vai ser uma experiência ótima.?

Agencia Estado,

24 de outubro de 2002 | 20h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.