Sem votação, Fuvest mantém vestibular

Em reunião nesta quinta-feira, Conselho de Graduação da USP não vota pacote de mudanças no processo seletivo; sugestões serão reavaliadas daqui a 15 dias

Mariana Mandelli, O Estado de S. Paulo

28 Abril 2011 | 14h59

As propostas de mudanças no vestibular da Fuvest enfrentaram resistência e mais uma vez foram retiradas da pauta de votação do Conselho de Graduação (CoG) da USP. Em reunião nesta quinta-feira, 28, professores e estudantes criticaram o pacote de sugestões. O assunto volta a ser discutido no próximo encontro do CoG, no dia 19 de maio. Até lá, o grupo de trabalho que formulou as propostas tentará convencer as unidades da importância das alterações.

 

Segundo a pró-reitora de graduação da USP, Telma Zorn, se aprovadas na próxima reunião, as mudanças podem valer para a Fuvest deste ano. De acordo com o calendário oficial, a 1.ª fase será realizada em 27 de novembro. Já as provas da 2.ª etapa estão marcadas para os dias 8, 9 e 10 de janeiro de 2012.

 

As propostas são: voltar a considerar a nota da 1.ª fase da Fuvest, com o mesmo peso das provas da segunda etapa; diminuir de 20 para 16 o número de questões da prova do segundo dia da 2.ª fase; chamar entre dois e três alunos por vaga para essa etapa – hoje são chamados três vestibulandos para cada vaga; elevar a nota mínima na 1.ª fase de 22 para 27 pontos – ou 30% das 90 questões de múltipla escolha – e a possibilidade de escolha de uma nova opção de carreira após a 3.ª chamada.

 

Leia também

- Pró-reitora defende mudança na Fuvest, mesmo que haja sobra de vagas

 

As sugestões foram elaboradas por um grupo de trabalho nomeado pela pró-reitoria de graduação, com base em avaliações dos últimos vestibulares e sugestões dos departamentos. As medidas elevariam a nota de corte de praticamente todas as carreiras.

 

Agora, o grupo vai criar um vídeo para explicar às unidades os impactos das modificações na Fuvest. "Professores alegaram que não tiveram tempo suficiente para entender as sugestões", disse Telma, após a reunião. Segundo ela, as propostas são "pequenas mudanças necessárias no atual modelo do vestibular". "Não é minha intenção aprová-las sem que as pessoas estejam prontas para a votação."

 

No mês passado, quando foram analisadas pela primeira vez, os membros do CoG levantaram dúvidas sobre as alterações. Na ocasião, só foram aprovadas mudanças na inscrição de candidatos treineiros e no Programa de Inclusão Social (Inclusp) - o teto da bonificação para alunos da rede pública subiu de 12% para 15%, de acordo com o desempenho na 1.ª fase da Fuvest.

 

Atualizada às 16h45

Mais conteúdo sobre:
Ensino superior USP vestibular Fuvest

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.