FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

Sem segurança e limpeza, unidades da UFRJ fecham portas

Pagamentos de terceirizados estão atrasados; nesta 2ª, Escola de Comunicação e Faculdade Nacional de Direito suspenderam aulas

Danielle Villela, O Estado de S. Paulo

11 Maio 2015 | 18h25

RIO - Três unidades da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) suspenderam as atividades nesta semana por causa de atrasos no pagamento dos funcionários terceirizados de limpeza e segurança. Estudantes da Escola de Comunicação (ECO) e da Faculdade Nacional de Direito (FND) não tiveram aulas nesta segunda-feira, 11, enquanto a paralisação no Colégio de Aplicação (CAp-UFRJ) ocorre a partir de quarta, exceto para o 3º ano do ensino médio.

No câmpus da Praia Vermelha, na Urca (zona sul), a ECO está sem porteiros desde outubro de 2014. Na semana passada, dois projetores multimídia da instituição e o computador de um professor foram roubados.

“Viramos alvo de marginais que circulam na região e sabem que estamos vulneráveis", afirmou Amaury Fernandes, diretor da ECO. Professor da unidade há dez anos e na direção há um ano e meio, Fernandes acabou assumindo nova função: recolheu o lixo dos banheiros na semana passada.


“O capitão afunda junto com o seu navio”, disse. Dos dez funcionários que seriam necessários para a manutenção da escola, apenas quatro continuam atuando.

A poucos metros do prédio da ECO, um dos portões de acesso da Avenida Venceslau Brás ao câmpus também foi fechado de manhã por questões de segurança. “Normalmente são quatro vigilantes, hoje só têm dois. Estamos com salários atrasados, fica complicado", disse um segurança, sem se identificar. 

Para Flora Santana, aluna do 6º período de jornalismo e representante do Centro Acadêmico da ECO, a suspensão também tem caráter político de apoio aos terceirizados. “Não temos como funcionar nessas condições. Se eles não estão recebendo, não têm que vir trabalhar." Os estudantes planejam organizar protesto na quinta-feira, no Conselho Universitário.

As atividades da ECO permanecerão suspensas até a próxima segunda-feira, quando haverá assembleia. As demais unidades do câmpus da Praia Vermelha seguem funcionando. “Por enquanto, não vejo razão para nenhum pânico”, afirmou Carlos Frederico Rocha, diretor do Instituto de Economia. 

Na FND, no centro, a suspensão vigora até esta quarta. “Tomamos a decisão para garantir a segurança e saúde de todos por conta da interrupção dos serviços de limpeza”, afirmou Carlos Bolonha, vice-diretor da unidade. 

No início do ano, o começo das aulas na UFRJ já havia sido adiado por causa dos mesmos problemas com os terceirizados de limpeza, manutenção e segurança.

A UFRJ informou que o Ministério da Educação liberou nesta segunda recursos, “favorecendo a negociação da volta da normalidade na prestação dos serviços de limpeza, segurança e manutenção”. Segundo a universidade, quase metade do orçamento anual de custeio da instituição corresponde ao pagamento de serviços terceirizados. “Mesmo diante das atuais adversidades, a UFRJ tem conseguido manter seus compromissos com as empresas responsáveis por esses serviços nos limites do seu direito, quitando, em até 90 dias, as dívidas com as empresas".

O Ministério da Educação informou que desde março repassa às instituições federais 1/12 dos recursos a elas destinados, “para normalizar seus calendários de pagamento de custeio e investimentos e garantir o pleno funcionamento dos serviços”.

Mais conteúdo sobre:
UFRJRio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.