Divulgação
Divulgação

Sem cursinho, saiba como estudar para o vestibular por conta própria

É importante usar material didático atualizado e fazer lista com pontos a rever

Luiza Pollo, Especial para o Estado

28 Outubro 2016 | 06h00

O perfil dos candidatos que estudam por conta própria varia bastante, mas o que não pode faltar em nenhum deles é motivação. É o que defende Marcelo Dias Carvalho, coordenador-geral do Curso Etapa. Ele afirma que o desânimo e o cansaço não podem vencer na reta final e que, para isso, é preciso disciplina.

Carvalho sugere que os candidatos façam uma lista com os pontos que merecem mais atenção. Sem a ajuda de professores, pode parecer difícil escolher o que estudar. Alessandra Venturi, coordenadora de orientação educacional do Cursinho da Poli, explica que a melhor forma de identificar esses conteúdos é por simulados. “A partir daí, o candidato pode se organizar e estudar, a cada semana, para o vestibular que vem a seguir.”

Também vale recorrer a quem conhece bem cada prova e pedir dicas. “O aluno pode entrar nos grupos do Facebook de discussão dos vestibulares e em sites de cursinhos locais. Também pode verificar dentro de cada matéria que tópicos são mais importantes.”

A internet também pode ser uma grande aliada. Aplicativos e canais no YouTube podem ser ótimas ferramentas para estudar por conta própria. Alessandra informa que, no site do Cursinho da Poli, qualquer pessoa pode encontrar exercícios com a resolução.

Mas não adianta contar apenas com a tecnologia. Livros e apostilas são essenciais. Carvalho aconselha procurar material didático atualizado. Ainda assim, vale a pena recorrer também às próprias anotações e resumos, mesmo que sejam de anos anteriores.

“Retomar a matéria do ensino médio é importante. Muita gente acredita que, porque já cursou Engenharia, por exemplo, vai ter facilidade na prova de Matemática. Mas isso não necessariamente ocorre porque o vestibular cobra os conteúdos do colégio.”

Mais conteúdo sobre:
Educação Vestibular Enem Fuvest Universidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.