Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Secretaria promete ao menos um professor-coordenador por escola

Docentes da rede estadual de SP estão em greve desde o dia 16 de março; professores farão nova assembleia na Paulista nesta sexta

Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

14 Maio 2015 | 22h02

SÃO PAULO - A Secretaria da Educação do Estado (SEE) prometeu nessa quarta-feira, 13, que todas as escolas da rede terão pelo menos um professor-coordenador a partir do ano que vem. A proposta foi feita em reunião com o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) na tentativa de acabar com a greve da categoria, que já dura dois meses. Os professores mantiveram a paralisação.

Entre as funções do professor-coordenador, estão as de auxiliar colegas e acompanhar atividades pedagógicas nas escolas. De acordo com o sindicato, principal da categoria, nem todas as unidades do Estado têm esse profissional atualmente. 

A rede paulista tem cerca de 10,3 mil professores nessa função, informa o sistema online Coordenadoria de Gestão de Recursos Humanos. O total de escolas estaduais é de aproximadamente 5,8 mil. 

Outra sugestão da pasta foi criar um grupo para verificar as denúncias de superlotação de salas feitas pelo sindicato. A Apeoesp afirma que 3.390 escolas foram fechadas, o que provocou o aumento do número de alunos por turma na rede. O balanço da entidade não é confirmado pela SEE, que prometeu publicar portaria sobre a atuação desse grupo na semana que vem. 

"Mas faltou a Secretaria apresentar um índice de reajuste, que é um dos principais motivos da nossa greve", criticou Maria Izabel Noronha, presidente do sindicato. O governo defende que a data-base da categoria é em julho. 

Na tarde desta sexta-feira, 15, os professores farão nova assembleia na Avenida Paulista, região central da cidade. A Apeoesp pede 75,33% de aumento para o professores, além de melhores condições de trabalho. A gestão Geraldo Alckmin (PSDB) considera a greve "extemporânea" e diz que os professores tiveram 45% de aumento nos últimos quatro anos. 

Mais conteúdo sobre:
greve dos professoresSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.