Antônio Cruz/ABr
Antônio Cruz/ABr

Secretária do MEC diz que há crise mundial na concepção do ensino médio

Maria do Pilar ressalta que a escola precisa conhecer o jovem e se adaptar as novas tecnologias

Agência Brasil

03 de maio de 2010 | 15h41

BRASÍLIA - A secretária de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC), Maria do Pilar Lacerda, disse nesta segunda-feira, 3, que predomina, em todo o mundo, uma preocupação com o formato a ser adotado para o ensino médio.

 

Veja também:

linkEnade é remarcado para 21 de novembro

linkEnem será obrigatório para quem pedir Fies

linkTabus ainda marcam aula de educação sexual

 

"Existe uma crise mundial na concepção do ensino médio. Países com diversidade étnico-cultural têm mais problemas, pois tinham modelos que se adaptavam aos anos 70 e depois não dialogaram mais com a multiplicidade que entrou para a escola", afirmou durante o Seminário Internacional Sobre as Melhores Práticas no Ensino Médio.

 

Maria do Pilar ressaltou que a escola precisa conhecer o jovem e se adaptar as novas tecnologias. "A escola não pode mais assumir o papel de ser a transmissora da informação, a informação ele (jovem) conhece por outros meios, mas de forma superficial. O papel da escola é tratar a educação", explica.

 

Segundo a secretária, no caso brasileiro há desafios a serem enfrentados. Dos 10 milhões de brasileiros que tem entre 15 e 17 anos, 1,2 milhão não vão para a escola, 3,5 milhões ainda estão no ensino fundamental e 5 milhões (50%) estão no ensino médio.

 

"É preciso corrigir a distorção idade-série. Em 2016 o ensino médio será obrigatório o que significaria colocar na escola mais de 1,2 milhão de jovens", destaca.

 

Programas educativos

 

Para o representante do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) no Brasil, Marcelo Perez, o seminário demonstra o esforço conjunto e o início de uma parceria em termos de políticas e programas educativos entre o BID e Ministério da Educação.

 

"Queremos compartilhar experiências exitosas de ensino. O BID está preparado para apoiar o setor social e em particular o educativo. Uma de nossas prioridades são as políticas de inclusão social e para a qualidade de vida."

 

O representante da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Ian Whitman, informou que nos 30 países que integram a organização, 40% dos alunos que não concluíram o ensino médio estão desempregados. "Temos evidências de que a educação é a chave para se lidar com os desafios econômicos e sociais de nossa época", disse.

 

Whitman ressaltou também que as escolas precisam estar aptas para receber os jovens com suas necessidades e saber enfatizar as habilidades do século 21. "Precisamos aprender uns com os outros a superar os desafios. Não adianta produzir as mesmas habilidades do passado. As escolas do século 21 precisam auxiliar os jovens em suas habilidades", destacou.

 

Participam do encontro especialistas e gestores da educação secundária e técnica de dez países, entre eles, Canadá, Austrália, Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra, Chile e Uruguai.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.