Secretária de Educação de Ribeirão Preto é exonerada

Após denúncias de irregularidades em contratações na pasta municipal da Educação de Ribeirão Preto, Joana Leal Garcia (PT) pediu o afastamento do cargo para que o caso seja investigado pela Justiça. Como a Lei Orgânica do Município não prevê afastamento temporário de secretário, ela será exonerada da função. Joana deverá ficar alguns dias descansando e retornar à sua vaga na Câmara, pois foi eleita vereadora em 2000. Ela era a secretária da Educação desde a administração de Antônio Palocci Filho, atual ministro da Fazenda.Um secretário interino será nomeado. Joana é investigada pelo Ministério Público por suposta contratação irregular de um coral para apresentações para estudantes da rede municipal. A Câmara também deverá investigar o caso a partir da próxima semana.A Secretaria da Educação teria contratado a Companhia de Ópera Minaz, em outubro, sem licitação, por R$ 11.500,00. Em janeiro deste ano, a mesma companhia teria sido contratada, para outras apresentações, mas a direção da Minaz alega que a nota emitida pelo poder público era para o pagamento das apresentações de 2002. Houve trocas de acusações, com Joana alegando que a Minaz ainda teria que fazer algumas apresentações para cumprir o contrato estabelecido.Desgastada com o caso, ela entregou o pedido de afastamento ao prefeito Gilberto Maggioni (PMN), no final da tarde de quinta-feira, que foi aceito. O promotor Sebastião Sérgio da Silveira está apurando esta denúncia e outras envolvendo Joana Leal Garcia. A Câmara deverá abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre o caso na terça-feira.

Agencia Estado,

04 de abril de 2003 | 16h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.