SBPC discute futuro da universidade

Qual o futuro da instituição universitária e o que fazer para que ela continue a ser referência no saber? Este foi o tema da conferência "Repensando a Universidade para o Século XXI", ministrada nesta terça-feira por Hans van Ginkel, reitor da Universidade das Nações Unidas, com sede em Tóquio, na 56.ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), em Cuiabá. O professor defende que com o advento da Internet, a universidade deve adaptar a sua linguagem e a forma que transmite o conhecimento para não perder seus alunos, antenados com as novas tecnologias. "Há 50 anos, enviar uma carta de Paris para Londres era difícil, demorado. Hoje, a mensagem pode ser instantânea", disse Ginkel, acrescentando que a universidade não pode se isolar. "Ela deve tomar a sua parte na sociedade e orientar os seus alunos quanto ao seu papel e responsabilidade", afirmou. A educação formal, segundo ele, não é mais a única maneira de obter conhecimentos e formação. Segundo o professor, para a sua sobrevivência, a universidade deve usar criatividade e inovação. "A universidade deve produzir mais e mais conhecimento e sair do isolamento. Além disso, os jovens estão cada vez mais capacitados e ela deve ser fonte de busca destes estudantes para a atualização constante, já que hoje as pessoas mudam de emprego muito mais rapidamente do que antes", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.