Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

SP tem semana decisiva para definição da volta às aulas presenciais em 8 de setembro; entenda

80% da população do Estado tem de estar em regiões na fase amarela até o dia 11 de agosto; hoje 52,3% estão dentro desta classificação

João Prata, O Estado de S.Paulo

04 de agosto de 2020 | 10h00

As aulas presenciais em São Paulo na rede pública e particular estão previstas para serem retomadas no dia 8 de setembro. Mas, para isso acontecer, o Estado precisa ter uma evolução considerável nos números da pandemia nos próximos dias. Entenda o que diz o Plano São Paulo: 

Quais as condições para iniciar o retorno às aulas?

Pelo plano, a retomada está condicionada à permanência de todo o Estado na fase amarela da quarentena por 28 dias. Um decreto prevê que, nos primeiros 14 dias, áreas que representem 80% da população do Estado precisam estar classificadas nessa fase. Nos 14 dias subsequentes, a totalidade do território estadual terá de estar classificada dessa forma. 

Como foi pensado o processo de retorno das aulas presenciais?

A retomada das aulas foi dividida em três etapas. Na primeira, terá somente a presença de 35% dos alunos nas escolas, depois 70%, até chegar à totalidade.

Como está dividida proporcionalmente, hoje, a população do Estado?

Atualmente, 52,3% dos habitantes vivem em regiões que estão na fase amarela, de acordo com dados da Fundação Seade. Outros 38,7% das pessoas estão em locais com classificação laranja e 8,9% moram em lugares classificados com a cor "vermelha", a mais restritiva, que só permite o funcionamento de serviços considerados essenciais.  

O que precisa mudar para as aulas recomeçarem em 8 de setembro? 

Até o dia 11 de agosto pelo menos 27,7% da população paulista precisa migrar para a fase amarela - e sem que nenhuma região na fase amarela regrida. Ou seja regiões onde vivam quase 12 milhões de pessoas precisam melhorar o quadro da pandemia. E duas semanas depois, todo o Estado deverá estar pelo menos na classificação amarela.

Exemplo do que seria necessário:

As cinco populações somadas das regiões mais populosas da cor laranja teriam de mudar de patamar nos próximos sete dias. Campinas, Sorocaba, Taubaté, Bauru e São José do Rio Preto teriam de ir para a fase amarela. 

Pode haver retrocesso das regiões nessas fases?

Sim, na última sexta-feira, 31, a região de Registro, onde fica o Vale do Ribeira, voltou à fase vermelha e teve de fechar seu comércio não essencial.

O que acontece se houver uma reclassificação com as aulas presenciais em curso?

Se uma região for reclassificada para as fases vermelha ou laranja, as respectivas unidades de ensino suspenderão, imediatamente, as aulas e atividades presenciais.

Quando uma escola poderá ir para a segunda etapa de reabertura?

Dependerá da classificação, por 14 dias consecutivos, na fase verde, de áreas que concentrem ao menos 60% da população do Estado.

E para a terceira etapa?

Dependerá da classificação, por 14 dias consecutivos, na fase verde, de áreas que concentrem ao menos 80% da população do Estado.

O que dizem os especialistas:

"Do jeito que as pessoas estão se descuidando, honestamente, acho improvável que aconteça o recomeço das aulas em setembro. Claro que muita coisa pode mudar nas próximas semanas, mas não acredito não. A gente tem visto a pandemia expandindo pelo interior. Ribeirão Preto tem cerca de 85% dos leitos ocupados", Laura Freitas, microbiologista e pesquisadora da USP.

"É temerário estabelecer uma data de retorno às aulas presenciais uma vez que não sabemos como a pandemia vai evoluir. É só pegar exemplos de outros países. A Alemanha abriu e viu aumentar os casos. A ocupação de leitos pode dobrar de uma semana para outra. Os Estados Unidos tentaram reabrir e foi um desastre", Alessandro Farias, pesquisador de imunologia da Unicamp.

Quais regiões estão na fase amarela atualmente?

Grande São Paulo*: 20.534.782 habitantes

Araraquara: 991.435

Baixada Santista: 1.831.884

TOTAL: 23.358.101 (52,3%)

*com exceção da sub-região Norte

Qual o critério definido para fase amarela?

A média de ocupação de leitos de UTI tem de ficar entre 80% e 75% a 70%. Também é preciso ter mais de 5 leitos de UTI por 100 mil habitantes destinados somente a atendimento de casos de covid-19. Média móvel de internações nos últimos sete dias tem de estar abaixo de 1.

Quem está na fase laranja?

Sub-região Norte da Grande SP: 603.465

Araçatuba: 764.041

Barretos: 425.090

Bauru: 1.741.281

Campinas: 4.562.125

Marília: 1.109.670

Presidente Prudente: 752.260

São João da Boa Vista: 809.836

São José do Rio Preto: 1.570.421

Sorocaba: 2.461.760

Taubaté: 2.489.629

TOTAL: 17.289.578 (38,7%)

Qual o critério para estar na fase laranja?

A média de ocupação de leitos de UTI tem de ficar entre 80% e 75%. Também é preciso ter mais entre 3 e 5 leitos de UTI por 100 mil habitantes destinados somente a atendimento de casos de covid-19. Média móvel de internações nos últimos sete dias tem de estar entre 1 e 1,5

Quem está na fase vermelha?

Franca: 696.336

Piracicaba: 1.539.600

Registro: 278.754

Ribeirão Preto: 1.477.530

TOTAL: 3.992.220 (8,9%) 

Qual o critério para estar na fase vermelha?

A média de ocupação de leitos de UTI estar acima de 80%. Número abaixo de 3 leitos de UTI por 100 mil habitantes destinados somente a atendimento de casos de covid-19. Média móvel de internações nos últimos sete dias estar acima de 1,5. 

Quais são as fases do Plano São Paulo?

A quarentena em São Paulo foi dividida da seguinte forma: fase 1 (vermelha), a mais restritiva, na qual só podem funcionar atividades essenciais; 2 (laranja), que permite reabertura parcial de atividades comerciais; 3 (amarela), que permite uma retomada maior de atividades; 4 (verde) e 5 (azul). Desde a implementação do Plano São Paulo, no dia 27 de maio, o governo de João Doria dividiu o Estado em 17 Distritos Regionais de Saúde. Os locais são classificados em cores, de acordo com critérios como taxa de ocupação de leitos de UTI, disponibilidade de leitos por 100 mil habitantes de internações e evolução da doença, com números de casos e óbitos sendo comparados entre semanas. Diante do pleito de prefeitos, o governo do Estado determinou que os avanços de fases das regiões acontecessem de duas em duas semanas e a próxima reclassificação que permitirá isso acontecerá na próxima sexta-feira, dia 7 de agosto.

Tudo o que sabemos sobre:
educaçãocoronavírusescola

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.