São Paulo faz seu primeiro vestibular com cota

A primeira prova de uma instituição pública de Ensino Superior do Estado de São Paulo com sistema de cotas para alunos negros, pardos e indígenas que estudaram em escolas públicas foi realizada nesta quarta-feira em 12 cidades paulistas.A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), antiga Escola Paulista de Medicina, foi a primeira instituição pública de São Paulo a implementar o sistema e teve 1.026 candidatos cotistas para 27 vagas em 5 cursos. Eles também concorrem às 273 vagas gerais.Ao todo, o vestibular teve 13.835 candidatos inscritos. O índice de abstenção foi de 7%. As vagas para os cotistas em medicina são 11. Em enfermagem são 8. E fonoaudiologia, tecnologia oftálmica e ciências biomédicas têm 3 vagas cada uma.A estudante Renata Aparecida Ferreira, de 24 anos, concluiu o ensino médio em 1999, mas não prestou vestibular na época, pois estava procurando um emprego. Hoje ela é técnica de enfermagem e conseguiu pagar o cursinho."Estou estudando há quatro meses e acho ótimo ter essa oportunidade de poder crescer no mercado de trabalho e mudar a próxima geração. Em vez de ter a maioria de negros na profissão de faxineiros, poderemos nos tornar médicos", disse Renata, que prestou medicina.Dois ladosAna Paula Rosa de Andrade, de 17 anos, também prestou para o curso de medicina. Na sua opinião, a idéia das vagas extras tem dois lados. "Ajuda porque tem menos concorrência entre os cotistas, mas, por outro lado, deveria ser igual para todo mundo. Eu acho que todos têm a mesma condição de passar se estudarem"."É uma ajuda extra, mas deveria existir uma base melhor no estudo da escola pública, pois só o sistema de cotas não ajuda a população negra", afirmou Elídio Miguel Andrade, pai de Ana Paula.Ele é eletricitário e tem mais duas filhas, que também farão o vestibular nos próximos anos. "Eu não tenho como pagar para todas uma faculdade particular. Assim elas podem aproveitar essa facilidade", disse ele.InsifucienteO pró-reitor de Graduação da Unifesp, Edmundo Baracat, explicou que o aumento de 10% no número de vagas da instituição para que ela possa adotar o sistema de cotas é um número significativo, mas não o suficiente."O número de cotas não é pouco e melhora as desigualdades. Mas, para ajudar os alunos, é preciso aumentar a qualidade do ensino médio".Em relação às cotas do ano que vem, Bacarat disse que haverá um fórum de discussão e o conselho universitário poderá ou não ampliar o sistema.   cotas nas universidades

Agencia Estado,

15 de dezembro de 2004 | 23h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.