Ayrton Vignola/AE
Ayrton Vignola/AE
Imagem Rosely Sayão
Colunista
Rosely Sayão
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Rotina de trabalho dos pais pode atrapalhar crianças na saída da escola

Crianças não querem e não gostam de esperar até que os pais cheguem para buscá-los na escola

Rosely Sayão*, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2022 | 04h00

Quando as escolas estavam funcionando plenamente, antes da pandemia, fui visitar duas delas, a convite. Gosto de fazer isso principalmente nos horários de entrada, recreio e saída porque é quando percebemos como se dá a convivência dos alunos no espaço escolar, quando eles estão mais livres, e se há educadores presentes nesse período.

Nas duas, escolhi a saída, e levei um susto porque fazia um bom tempo que não tinha a oportunidade de observar a dinâmica desse horário. Meu susto? O alto número de alunos que ficava muito tempo após o término das aulas aguardando que os pais fossem buscá-las. E é preciso aqui apontar que eram alunos da educação infantil e do ensino fundamental 1, ou seja, crianças.

A lembrança dessas visitas me surgiu quando li no noticiário que uma criança de 7 anos ficou presa em uma escola do interior de São Paulo por cerca de cinco horas, após as aulas terminarem, até que fosse resgatada. Criança não gosta de ser das últimas da classe ou da escola a ir para casa. E não se trata, aqui, apenas de ela ficar desgostosa ou magoada com seus pais por ter de esperar muito tempo por eles. A sensação que a criança tem, ao ver seus colegas partirem e ela ficar, é de abandono. E já sabemos, faz um bom tempo, que tal sensação, além de provocar sofrimento, pode afetar o desenvolvimento e a saúde mental da criança.

Já faz algumas décadas que os pais ficam tranquilos quando o filho está na escola, e não só pela aprendizagem que pode adquirir, mas também porque consideram que a criança está em um ambiente seguro e monitorado por adultos responsáveis. Foi assim que, pouco a pouco, muitos pais passaram a se atrasar para buscar os filhos na escola. Para algumas escolas, isso virou rotina, tanto que já oferecem atividades extracurriculares no horário.

A realidade é que muitos pais não conseguem buscar o filho pontualmente por causa do horário do trabalho. Nesses casos, é preciso buscar, na rede de apoio da família, quem possa substituir os pais nessa tarefa para que não seja a criança prejudicada. Não há rede de apoio familiar ou de amigos? Quem tem filhos precisa construir essa rede. É por isso que, hoje, faço um pedido aos pais e familiares de crianças: não deixem os filhos na escola esperando muito tempo. Não faz bem a eles essa espera. E, para a criança, 15 minutos pode durar uma eternidade.

Lembrete: em tempos de covid, não leve seu filho para a aula caso ele tenha algum sintoma. O melhor lugar para a criança doente é em casa ou na de alguém da família.

*É PSICÓLOGA, CONSULTORA EDUCACIONAL E AUTORA DO LIVRO EDUCAÇÃO SEM BLÁ-BLÁ-BLÁ


 

Tudo o que sabemos sobre:
educaçãoescolacriança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.