Estadão
Estadão

Richa admite uso da força para desocupar colégios no Paraná

No domingo, antes de votar, governador do Estado havia dito que 'seria a última medida'; em Irati, reintegração de posse foi suspensa

Julio Cesar Lima, Especial para o Estado

01 Novembro 2016 | 10h42
Atualizado 01 Novembro 2016 | 10h50

CURITIBA - O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), falou pela primeira vez que o Estado deve fazer uso da força para cumprir as reintegrações de posse dos colégios ocupados. "Se não houver compreensão e o diálogo não for suficiente, só resta uma maneira, o uso da força", afirmou. Em Irati, porém, a Justiça suspendeu a reintegração de posse em algumas escolas. 

Richa havia garantido no domingo, 30, minutos antes de votar, em Curitiba, que o "uso da força seria a última medida", mas em entrevista à RPC nesta segunda-feira, 31, afiliada da Rede Globo no Paraná, mudou a postura.

"O diálogo tem uma hora que esgota. Eu estou aberto ao diálogo e chamei os líderes da ocupação para conversar, eles estão passando de uma manifestação que seria pacífica e ordeira para uma manifestação que está irritando a sociedade paranaense", afirmou.

Até o final da tarde desta segunda-feira, 31, data-limite para as desocupações, 315 colégios ainda continuavam tomados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.