Alex Silva/ Estadão
Alex Silva/ Estadão

Retorno às aulas presenciais na rede privada do Rio é tímido, mas deve se intensificar na segunda

Autorização para volta foi concedida nesta quarta-feira pela Justiça; Sindicato das Escolas Particulares do Rio diz que ainda não houve tempo para colégios se prepararem

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

01 de outubro de 2020 | 12h09

Apesar de liberadas por determinação judicial, poucas escolas particulares no Rio retornaram às atividades presenciais nesta quinta-feira, 1º de outubro. A expectativa, contudo, é de que praticamente todas voltem a funcionar até o final da próxima semana, ainda que com número reduzido de alunos e mantendo um sistema de aulas à distância.

A autorização para o retorno às aulas presenciais foi concedida nesta quarta-feira, 30, em decisão unânime da 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio (TJRJ). A corte derrubou recurso obtido pelo Ministério Público do Estado (MPRJ) e pela Defensoria Pública, que haviam acionado a Justiça após a Prefeitura do Rio autorizar o retorno às aulas da rede privada a partir de 1º de agosto.

O Sindicato das Escolas Particulares do Rio (Sinepe-Rio) ainda não tem um balanço de quantos colégios efetivamente voltaram às atividades nesta quinta, mas avalia que o retorno acontecerá em sua totalidade na próxima semana. "A decisão do Tribunal de Justiça saiu no fim da tarde de ontem (quarta), e não deu tempo para a maioria das escolas se preparar, mobilizar suas equipes e até mesmo sua estrutura para receber os alunos hoje. Acredito que até segunda-feira esteja quase tudo normalizado, e até o final da próxima semana o retorno seja de quase 100% das unidades", diz o diretor do Sinepe-Rio, Lucas Werneck.

Werneck ressalta que cada escola tem autonomia para decidir sobre o retorno, além de depender da estrutura física para acomodar os alunos com as regras de distanciamento exigidas. Por isso, ele lembra que as aulas à distância irão continuar até o fim do ano letivo. "O sistema híbrido, com aulas presenciais e à distância, vai continuar pelo menos até dezembro."

Greve

O Sindicato dos Professores do Município do Rio e Região (Sinpro-RIO) lamentou em nota a autorização de retorno às atividades presenciais na rede privada. A entidade se mantém em "greve pela vida", e anunciou uma assembleia para sábado, 3, para debater o assunto.

Para o diretor do Sinepe-RIO, a greve da categoria é "legítima", mas não deverá atrapalhar o retorno da rede privada. "Eles têm o direito de fazer greve, não questionamos isso. Mas é preciso respeitar o desejo dos professores que quiserem voltar as suas atividades", comenta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.