Reserva de vagas desagrada reitores de federais

A notícia de que o governo quer uma reserva de 50% das vagas nas universidades federais para egressos da escola pública pegou de surpresa reitores. Na quinta-feira, os 47 dirigentes das instituições haviam se reunido com o ministro da Educação, Tarso Genro, e nenhuma palavra lhes foi dita a respeito do projeto."50% de reserva de vagas é uma tragédia aqui", disse o reitor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Ulysses Fagundes Neto. A instituição tem cerca de 300 vagas a cada vestibular e já aprovou um projeto de cotas para negros e estudantes de escolas públicas, mas com porcentual de 10%.Expansão e investimentoVários reitores destacaram que a expansão no número de vagas e o investimento no ensino médio público seriam medidas mais eficazes para a democratização do ensino superior."É preciso valorizar a escola pública e as próprias universidades podem contribuir com isso qualificando professores", completou a reitora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Wrana Panizzi, presidente da Associação dos Dirigentes das Universidades Federais (Andifes). Na UFRGS, o número de estudantes oriundos do ensino médio público caiu de 50% para 40% nos últimos dez anos.Afrodescendentes e indígenasSegundo a reitora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Ana Lúcia Gazzola, a cota para afrodescendentes e indígenas também não é a solução mais razoável. Para ela, o aumento das vagas em cursos noturnos já funcionaria como um bom instrumento de inclusão.Na federal de Minas, 59% dos alunos do noturno vêm de escolas públicas e 38% são negros e pardos. No diurno, os números são de 36% e 30%, respectivamente. A Andifes entregou no ano passado um projeto ao MEC pedindo a criação de 25 mil novas vagas em cursos noturnos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.