Rejeição em sala de aula afeta desempenho escolar

Pesquisa divulgada nesta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estudo e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) mostra que a rejeição sofrida por alguns estudantes na sala de aula, seja por parte dos colegas ou dos professores, tem impacto no desempenho escolar. Os dados resultam do cruzamento das notas do Sistema Nacional da Educação Básica (Saeb) com um questionário socio-econômico aplicado aos alunos.O exame foi aplicado a 300 mil estudantes da 4.ª e 8.ª séries do ensino fundamental e da 3.ª série do ensino médio, dos sistemas público e privado. De acordo com os resultados, 13% dos alunos da 4.ª série do ensino fundamental responderam que sempre são "deixados de lado". Outros 34% afirmaram que essa situação ocorre de vez em quando, e para 52% não há rejeição; 1% não respondeu.Os alunos que declararam problemas com a rejeição tiveram nota média de 145,30 pontos em Língua Portuguesa. Os que disseram que nunca ou quase nunca sofrem rejeição tiveram média de 178,51, ou seja, 33,2 pontos a mais. Em matemática, a diferença é de 29,4 pontos. Segundo o presidente do Inep, Eliezer Pacheco, os dados mostram que a escola tem que ser um espaço de afetividade onde não haja preocupação apenas com aprendizagem, desligada dos aspectos afetivos. "A escola tem que ser um ambiente agradável e de convivência fraterna porque tem reflexo direto no nível de aprendizagem dos alunos", afirmou.

Agencia Estado,

11 de agosto de 2004 | 05h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.