Reitoria diz que congregação não pode afastar diretor da USP Leste

Órgão máximo da unidade aprovou na quarta-feira, dia 11, o afastamento do diretor José Jorge Boueri Filho

12 Setembro 2013 | 12h08

Depois de a congregação da USP Leste, em reunião aberta, aprovar o afastamento do diretor José Jorge Boueri Filho da unidade, a reitoria da universidade defendeu que o órgão não tem autonomia para tomar essa decisão. Apenas o reitor teria esse poder. 

A decisão da congregação se baseou em trecho do estatuto da USP em que se define que o órgão pode “deliberar sobre a aplicação da pena de demissão de membros do corpo docente”. Na reunião de quarta, 11, foi definido que a decisão de afastamento ainda teria de ser oficializada pela própria congregação.

Boueri continua como diretor. O estopim da crise na USP Leste foi a colocação de placas na unidade informando "interdição" de parte do terreno câmpus por contaminação no solo e risco á saúde. A unidade não cumpriu exigências de despoluição do solo, que tem metano, gás inflamável, e foi autuada pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb).

Professores, funcionários e alunos estão em greve. A área ocupada pela unidade, que está na várzea do Rio Tietê, tem solo poluído. Entre as exigências da Cetesb, há a instalação de sistema de extração de gases dos prédios, além de avaliações de risco à saúde. A Cetesb deu 60 dias para a USP atender à advertência.

A reportagem não conseguiu falar com o diretor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.