Reitores querem subir limite; Estado não respondeu

Pedido foi para mudar o teto para 90,25% do salário de um ministro do Supremo Tribunal Federal, o que corresponde a R$ 26,5 mil

O Estado de S. Paulo

20 Novembro 2014 | 03h00

Os reitores de USP, Unicamp e Unesp esperam, desde setembro, resposta do governo do Estado sobre o pedido para aumentar o limite salarial nas universidades, hoje de R$ 20,6 mil, o vencimento do governador. A solicitação foi de mudar o teto para 90,25% do salário de um ministro do Supremo Tribunal Federal, o que corresponde a R$ 26,5 mil, conforme revelou o Estado. 

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico, interlocutora dos reitores no governo, informou que o pedido está sob análise. O ofício também foi enviado à Assembleia Legislativa para ser discutido com a proposta orçamentária de 2015. “Quem sabe o próprio governo e a sociedade entendam que isso precisa ser revisto”, disse anteontem o reitor da USP, Marco Antonio Zago. No ofício, os reitores ainda pleiteiam mais verbas do governo para as estaduais. Segundo eles, os gastos subiram com o forte aumento de vagas nos últimos anos. 

Mais conteúdo sobre:
Crise na USP USP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.