Divulgação
Divulgação

Reitores canadenses anunciam verba de R$ 34 milhões para bolsas e parcerias

Até 2014, o Candá pretende receber 12 mil alunos brasileiros pelo Ciência sem Fronteiras

Juliana Deodoro, especial para o Estadão.edu,

27 Abril 2012 | 19h13

A comissão de reitores de universidades canadenses que chegou ao Brasil nesta semana anunciou o investimento total de mais de 18 milhões de dólares canadenses, cerca de R$ 34,8 milhões, em bolsas de estudos e parcerias entre o Canadá e o Brasil. Segundo o presidente do conselho da Associação das Universidades e Faculdades do Canadá (AUCC na sigla em inglês), Stephen Toope, a intenção é ter, já no segundo semestre deste ano, o dobro de alunos brasileiros estudando no país. Atualmente, menos de 500 estudantes estão matriculados nas universidades canadenses. Até 2014, o Canadá pretende receber 12 mil alunos brasileiros pelo projeto Ciência sem Fronteiras.

 

Uma parte deste montante, cerca de R$12,9 milhões, será investido em 75 acordos e programas de bolsas de estudo e mobilidade de estudantes da graduação e da pós-graduação. O financiamento virá dos governos e universidades dos dois países. “São parcerias concretas, queremos construir relações duradouras com as universidades brasileiras”, afirmou Toope.

 

Os canadenses desejam também levar os estudantes brasileiros para dentro das empresas, com estágios de pesquisa. Ele serão oferecidos por meio do Mitacs, programa governamental responsável por conectar pesquisadores universitários com as empresas canadenses.

 

“O Brasil está em ascensão e nós queremos fazer parte disso”, disse o diretor executivo e científico do Mitacs, Arvind Gupta. Segundo ele, 450 alunos da graduação receberão a bolsa até 2014, mas a maneira como o intercâmbio funcionará ainda não foi decidida. “Não sabemos se serão programas de um ou quatro anos, ainda há muito a se discutir”, afirmou.

 

Para completar o 'combo' de investimentos, dez universidades canadenses assinaram com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado (Fapesp) parcerias de R$ 2,26 milhões, que preveem a colaboração em ciência, tecnologia e inovação em áreas de interesse mútuo entre instituições paulistas e de diferentes regiões canadenses.

 

Segundo o presidente da AUCC, Paul Davidson, mais de 7 mil brasileiros estão hoje no Canadá estudando inglês e francês e a meta é atrair os estudantes também para as universidades. “Queremos usar as conexões que já existem entre nossos países para elevar estas relações a outro nível.”

 

A AUCC tem também a intenção fazer o caminho inverso e trazer estudantes canadenses para o Brasil. O desafio, no entanto, é o idioma. “Já estamos nos questionando em como vamos oferecer aulas de português para nossos alunos”, disse Stephen Toope.

 

Programação. Amanhã será realizada a maior cerimônia de assinatura de parcerias, com a presença do governador geral do Canadá, David Johnston, na Unicamp, em Campinas. Dia 30, a comitiva de reitores vai ao Rio para conhecer a Universidade Federal Fluminense (UFF). Ela encerra a jornada brasileira na Universidade de Brasília (UNB), no dia 2 de maio.

Mais conteúdo sobre:
AUCC Ciência sem Fronteiras Canadá

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.