Divulgação
Divulgação

Rede social quer aproximar jovens de instituições de ensino e de empresas

Lançado há um mês, Bizut reúne características de LinkedIn e Facebook

Breno Pires, especial para o Estadão.edu,

04 Outubro 2012 | 14h17

Uma rede social para a vida profissional, que mistura elementos do LinkedIn e do Facebook, com a finalidade de aproximar jovens, instituições de ensino e empresas. Essa é a proposta do Bizut (www.bizut.com.br), plataforma online gratuita em que jovens poderão receber orientação, concorrer a oportunidades de trabalho e ter aulas e notícias voltadas para a busca por emprego.

O Bizut foi criado para um público que vai desde a adolescência até o fim do período de universidade. Um dos principais objetivos é dar visibilidade a quem não tem experiência. Outra prioridade é oferecer informações sobre instituições de ensino e o mundo acadêmico.

Na plataforma, os usuários montam um perfil, que pode ter fotos, vídeos e um currículo acadêmico e profissional. Esse perfil pode ser enriquecido com o envio de arquivos de texto, PDFs e apresentações de slides de trabalhos realizados, dentro ou fora do ambiente de estudos, como espécie de portfólio. Também é possível adicionar amigos, compartilhar links e comentar nas postagens de outros usuários, em uma interação inspirada no Facebook, incluindo o botão "Gostar!", versão do "Like" da rede social norte-americana.

O portal oferece vagas de estágio e emprego, a que o usuário pode se candidatar. Empresas também podem selecionar candidatos em potencial mesmo que eles não concorram formalmente à vaga.

Existe ainda um espaço criado especificamente criado para as instituições de ensino, em que elas poderão ter acesso a alunos e recém-formados e fazer divulgação.

“O Bizut é um guia de profissões e universidades e expõe oportunidades profissionais, cursos e alternativas de especialização, com aulas online sobre os mais diversos temas e matérias, permitindo, também, interação entre aluno e professor”, afirma Anderson Nabuco, idealizador do projeto.

Nabuco já trabalhava com recrutamento e seleção para empresas e decidiu criar o Bizut porque percebeu uma brecha na área de buscas de pessoas com pouca experiência. "O Bizut nasceu a partir da percepção da carência de uma ferramenta de busca de pessoas que ainda não tenham uma história para contar."

O fundador afirma que algumas multinacionais estão em fase de fechamento de contrato de parceria com o Bizut. Segundo ele, uma das que vai utilizar a rede social é White Martins, que oferecerá 30 vagas de estágio.

Cerca de R$ 3 milhões foram investidos até aqui no projeto, de acordo com o idealizador. A equipe do portal é formada por 20 pessoas, de diversas áreas, como administração, economia e psicologia. Elas selecionam e publicam o conteúdo dos temas pertinentes.

Mais conteúdo sobre:
educação Bizut rede social emprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.