TV Estadão | 04.06.2015
TV Estadão | 04.06.2015

Redação vale até um terço da nota do vestibular

Em carreiras disputadas, em que a disputa por vaga é feita ponto a ponto, prova costuma desempatar candidatos

Victor Vieira , O Estado de S. Paulo

17 Agosto 2015 | 08h20

SÃO PAULO - Nas carreiras mais concorridas, em que a disputa por vaga é feita ponto a ponto, a nota da redação costuma desempatar candidatos. Em Medicina, por exemplo, a média nessa prova pode corresponder até a um terço do resultado final.

É o que acontece na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que usa o Enem como único critério de ingresso.

Entre os principais cursos públicos de Medicina do País, é o que dá maior importância à redação no resultado final, segundo levantamento feito pelo Sistema de Ensino Poliedro, que tem unidades na zona sul de São Paulo e no interior. Na UFRJ, mostra o estudo, a redação tem mais peso que Ciências Naturais(22% da nota). 

Mesmo entre s universidades em que o Enem é o único modo de ingresso, o peso da redação varia. Na graduação de Medicina da Universidade de Brasília (UnB), por exemplo, a média da redação representa bem menos: 8% do resultado final. 

Diferencial. “Em Medicina, o candidato já tem notas muito boas nas disciplinas tradicionais, como Biologia e Química. A redação define quem entra”, destaca Rodrigo Fulgêncio, coordenador pedagógico da turma de preparação para Medicina do Poliedro. “Em Direito e Engenharia, a redação também é um diferencial importante.”

Esses dados, diz, devem ajudar na organização de estudos e nas estratégias para o dia do exame. “Logo ao receber a prova, é bom ler o tema da redação. Assim, já começa a pensar nisso enquanto resolve as outras questões”, recomenda.

Mais conteúdo sobre:
Enem Educação Redação Medicina

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.