Redação é chave do vestibular da Unicamp

É hora de se concentrar na redação. Agora que a primeira fase da Fuvest já passou, os vestibulandos que também prestarão a Unicamp, no domingo, têm alguns dias de preparação para uma prova completamente diferente. Saem os 100 testes e entram 12 questões discursivas de Matemática, Física, Química, Biologia, História e Geografia, além da redação. E é nela que os estudantes devem estar atentos. "Nos últimos dias, os vestibulandos estavam concentrados no conteúdo exigido pela Fuvest", afirma o diretor pedagógico do cursinho Stockler, Agostinho Marques Filho. "E, como se prepararam para ela, estão prontos também para resolver as questões da Unicamp, que costumam ser abrangentes. A maior dificuldade nesse vestibular é mesmo a redação." Será nela que Renan Maloni, de 22 anos, candidato a uma vaga em Medicina irá se concentrar nessa semana. Anteontem, ele prestou a Fuvest e resolveu não conferir o gabarito para não desanimar caso tenha ido mal. "Agora, é hora de pensar apenas na Unicamp", garante. "Hoje (ontem), acabei me dando uma folga, mas vou fazer uma nova revisão para a Unicamp, treinar a redação e tentar me manter calmo, que é o mais difícil." Foi justamente a falta de tranqüilidade que fez Carla Maciel, de 17 anos, também vestibulanda de Medicina, ir mal da Fuvest. "Me deu um branco e acabei não me saindo muito bem", conta. "Agora, vou me dedicar inteiramente à Unicamp." Ontem, ela já estava no cursinho se preparando para o novo exame. "Vou seguir a orientação dos professores: refazer os exercícios e tentar não me abater", garante. "A sorte é que costumo ir bem em redação." Mas quem ainda não está tão seguro com os textos que escreve pode tentar melhorá-los nesta semana, garantem os professores. "Fazer leituras, interpretar textos, habituar-se a controlar o tempo e treinar bastante ajudam na hora do exame", afirma Marques Filho. "É claro que um aluno que passou o ano todo sem se preocupar com a redação, sem ter o hábito de ler, não vai conseguir um milagre agora, mas dá para ganhar mais confiança", recomenda. Ver as propostas das redações passadas da Unicamp é uma forma de se acostumar ao formato da prova. "Ela sempre apresenta muitos textos e um erro imperdoável é o candidato se desviar do tema e do estilo pedido." Uma das dicas é ler editoriais de jornais Outra sugestão, essa do professor Ernesto Birner - um dos coordenadores do Anglo -, é ler editoriais de jornais. "A Unicamp gosta desse estilo de redação e, por isso, a leitura de jornais e revistas é importante", afirma. "Além de se acostumar com o estilo, os estudantes passam a ter mais informações e subsídios para argumentar no seu texto." Ernesto lembra que não adianta o vestibulando sair fazendo um texto atrás do outro nessa semana. "Ninguém aprende redação em tão pouco tempo. Agora, o negócio é ler bastante." Essa também é a opinião do diretor do Etapa, Carlos Eduardo Bindi. "Acho que o que mais ajuda agora é a leitura. E o importante é que o aluno não escreva barbaridades na redação. Fugir do tema, apresentar erros de ortografia e pontuação não costumam ser perdoados." Ler a proposta com calma, por duas vezes, antes de começar a escrever, ajuda a entender o que a Unicamp quer e incentiva a reflexão. "A tranqüilidade acaba se refletindo na nota", diz Bindi. E, para quem se saiu bem na Fuvest, um alerta: "Não adianta relaxar agora, porque ninguém tem sua vaga garantida. Já os que foram mal, não devem desanimar. A Unicamp é uma prova totalmente diferente e as exigências são outras." Alexia Santos, de 17 anos, outra que tenta uma vaga em Medicina, já sabe disso. "Acho que o exame da Unicamp será mais tranqüilo por causa das questões discursivas. Prefiro escrever a responder a testes. Mas não sei como será a redação." Ela conta que, nessa semana, vai aproveitar para refazer alguns temas e ler muita revista. "Espero que seja para escrever sobre algum assunto atual e que faça parte do nosso dia-a-dia. Acho mais fácil falar sobre a realidade."

Agencia Estado,

19 de novembro de 2002 | 12h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.