Reaplicação do exame da OAB vai custar cerca de R$ 1,3 milhão

Nova prova foi marcada para 11 de abril, mas há possibilidade de mudanças por causa de outros concursos

Agência Brasil,

11 de março de 2010 | 16h27

Os custos para reaplicar a segunda fase da prova do Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que teria sido fraudada e por isso foi cancelada, deve ficar em torno de R$ 1,3 milhão. A estimativa é da instituição responsável pela organização do exame, o Centro de Seleção e Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe/UnB).   Veja também: OAB anula segunda fase do exame de Ordem por suspeita de vazamento    A Polícia Federal está investigando o suposto vazamento de questões do exame. A irregularidade foi detectada durante a aplicação da segunda fase da prova prático-profissional de direito penal, no último dia 28, em Osasco. De acordo com a OAB, um candidato escondia as questões em uma folha de papel encontrada em um livro de consulta.   De acordo com o contrato, os custos relativos à reaplicação caberiam à instituição responsável pelo fato que motivou a anulação. Enquanto a investigação não é concluída pela PF, o Cespe sugere que os valores sejam divididos igualmente entre o centro e a OAB.   A Agência Brasil procurou a assessoria de imprensa da Ordem que disse que essa decisão ainda está "sob avaliação". Entretanto, no anúncio da anulação da prova, o presidente da entidade, Ophir Cavalcante, disse que o Cespe deveria arcar com os prejuízos.   A nova prova foi marcada para 11 de abril, mas há possibilidade de mudanças para que não haja choque com as datas de outros concursos públicos. O anúncio será feito até segunda-feira, 15.   De acordo com nota divulgada pelo Cespe, o órgão propõe que a reaplicação "esteja sob sua inteira responsabilidade, ao contrário do que ocorre no processo atual do exame no qual todas as fases são realizadas em parceria pelas duas instituições".

Tudo o que sabemos sobre:
exameOABreaplicaçaocusto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.