Radical desbanca musa estudantil no Chile

Camila Vallejo, líder de protestos, perde eleição; sociólogo prevê mais confronto com governo

Ansa

07 Dezembro 2011 | 11h17

SANTIAGO - A presidente da Federação dos Estudantes da Universidade do Chile (Fech), Camila Vallejo, perdeu as eleições na qual buscava mais um mandato à frente da entidade.

Camila, do grupo "Esquerda Estudantil",  foi derrotada por Gabriel Boric, da chapa "Criando Esquerda", que obteve 4.053 votos e vence a eleição com diferença de 189 votos. Na segunda-feira, primeiro dia de votação, Camila tinha terminado na frente, com vantagem de 194 votos.

Em entrevista à agência Ansa, o sociólogo e acadêmico da Universidade do Chile Carlos Hunneus afirmou que os resultados "apontam para uma radicalização dos jovens porque a autoridade se nega ao diálogo. É lamentável."

No ano passado, os dois grupos também travaram uma disputa acirrada pela liderança da Fech, que terminou com a vitória de Camila por apenas 79 votos. De acordo com os estatutos da entidade, Boric ocupará a presidência, enquanto Camila será a vice.

Fech/Divulgação e creandoizquierda.cl/Reprodução

Aluna de Geografia, Camila liderou as manifestações estudantis que pediam educação gratuita e de qualidade e conseguiu o apoio de setores sociais médios que se incorporaram aos protestos, iniciados em março.

Estudante de Direito, Boric encampava a principal crítica sofrida por Camila, seu apoio à aproximação entre o movimento estudantil e a Concertación, coalizão de esquerda opositora do governo.

Durante a campanha, Boric assinalou que "a briga não é somente com a figura de Camila, mas também com o Partido Comunista [que ela representa]".

Visto com maior interesse depois da mobilização nacional acerca da questão educacional, o pleito estudantil deste ano envolveu até pequenas faculdades, que acabaram sendo peças importantes na vitória de Boric.

Mais de 12,5 mil estudantes participaram do pleito, o que representa mais de 50% dos 24 mil que estavam aptos a votar, segundo o presidente do Tribunal Qualificador de Eleições, Mauricio Valencia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.