Química e física também surpreendem candidatos

As provas de química e física foram consideradas difíceis pelos 3.158 candidatos que prestaram o vestibular da Fuvest em Sorocaba. "Estava mais difícil que no ano passado", disse o estudante Felipe Comitre, de 17 anos, que tentava o curso de geografia na Universidade de São Paulo (USP).Em 2003, ele prestou como treineiro para pegar experiência. "Muitas questões de química efísica eram bem complicadas." Ele achou fácil responder as questões de geografia."Errei só uma."Thiago Mendes, de 18 anos, concorrendo a uma vaga na Academia Barro Branco, que forma oficiais da Polícia Militar - o segundo curso mais procurado na cidade, depois de medicina -, também enroscou em química. "Deixei várias questões semresposta."Muitos não conseguiram chegar até as 13h00 ao local da provas, o campus da Universidade de Sorocaba, na Rodovia Raposo Tavares. Cássia Cenira de Almeida Peres, 18 anos, de Itapeva, chegou com 12 minutos de atraso. "O carro ferveu na estrada", justificou.Um acidente na Raposo quase impediu que Henrique Gustavo Alvarez, de 19 anos, fizesse o vestibular. O carro em que o rapaz viajava colidiu levemente com uma van. Ele conseguiu uma carona com conhecidos para seguir até o local, enquanto seu pai resolvia o problema do acidente.

Agencia Estado,

28 de novembro de 2004 | 18h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.