Questões do Enem mencionam programas do governo

Gripe suína e portal de livros para professores foram alguns dos temas

Elida Oliveira, Renata Cafardo, Paulo Saldaña e Mariana Mandelli, O Estado de S.Paulo

07 Dezembro 2009 | 10h35

Pelo menos quatro questões da prova de ontem do Enem mencionavam programas do governo federal. No exame de linguagens havia um texto explicativo sobre o portal Domínio Público, que disponibiliza online uma biblioteca para professores. A pergunta pedia qual era a "função social" do projeto e única resposta certa possível era "a democratização da informação, por meio da disponibilização de conteúdo cultural e científico à sociedade".Outra questão pedia para que o aluno comentasse um texto da campanha do governo sobre a gripe suína. Perguntava quais os "recursos utilizados para envolvimento do leitor à campanha" e depois dizia que o texto tinha o "objetivo de solucionar um problema social".Outro material do Ministério da Saúde foi usado numa pergunta sobre a dengue. E, na prova de matemática, tabela da Agência Nacional do Petróleo mostrava dados sobre comércio exterior.O tema da redação surpreendeu professores dos cursinhos de São Paulo. O exame pedia que os alunos escrevessem sobre "o indivíduo frente à ética nacional", sugerindo uma proposta de ação social que respeitasse os direitos humanos. De maneira geral, os professores ouvidos pelo Estado consideraram a prova realizada ontem, de matemática e linguagens, mais difícil do que o exame que vazou.O Inep informou que vai analisar a prova, mas que o exame teria o mesmo número de questões difíceis, médias e fáceis que o anterior. O Enem passou a usar uma nova tecnologia para ter o mesmo nível de dificuldade em todas as provas realizadas e ser comparável ano a ano. O exame de linguagem tinha uma questão anulada, a de número 101 (nas provas azul, amarela e rosa) e 102 (na cinza). A anulação constava do primeiro gabarito divulgado pelo Inep. A professora Eclícia Pereira, do Cursinho da Poli, acredita que o tema da redação foi complexo e interessante. "Embora o tema envolvesse política e corrupção, o vestibulando tinha de falar sobre o comportamento de quem critica (a corrupção)", explica. Compunham o tema uma ilustração de Millôr Fernandes e textos de Lya Luft e Contardo Calligaris. "Não achava que a prova falaria de corrupção pelo fato de o exame ter vazado. Achei ótimo", disse professora do Objetivo Elizabeth de Melo Massaranduba. No entanto, ela considerou a prova de português complicada. "Tinham textos longos e de difícil entendimento." O professor Héric José Palos, do Etapa, concorda. "Em algumas questões até as alternativas eram longas." O exame de matemática foi considerado de nível médio, com muitos cálculos e algumas questões mais complicadas do que a prova que vazou. "Foi uma prova de raciocínio aritmético", afirma o coordenador geral do Anglo, Nicolau Marmo. Segundo ele, havia duas questões de geometria mais difíceis.Professores questionaram a questão sobre uma escultura de Emanuel Araujo. Segundo eles, não havia uma resposta certa e a figura era ruim.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.