'Queremos diversidade na sala', diz selecionadora de Wharton

Universidade americana busca perfis diferentes para alunos aprenderem a trabalhar em grupo

Guilherme Soares Dias, Estadão.edu

25 Fevereiro 2014 | 03h00

Claudia Massei, executiva chefe de oportunidades do Excellence Programa Associate da Siemens. Fez MBA em Wharton entre 2011 e 2012 e trabalha como voluntária nos processos de seleção de candidatos. Ela fala do processo de seleção da universidade americana. Confira:

Qual é o perfil dos alunos selecionados?

Queremos uma classe diversa. A ideia é termos perfis diferentes para que os alunos aprendam a trabalhar em grupo. Mas, no fim, todos são ligados ao mundo de negócios, então, não há uma diversidade completa. Buscamos gente de diferentes países.

Quais características pessoais são valorizadas?

As escolas se preocupam com liderança e em trazer pessoas com perfil que os empregadores buscam. O principal objetivo é ter um novo emprego ou montar o próprio negócio.

O que conta mais no processo de seleção?

A redação é uma das principais peças de análise. O candidato precisa ser ele mesmo, mas, ao mesmo tempo, tem de se diferenciar dos demais, para marcar o examinador de alguma forma. Dê exemplos e fale sobre conquistas. As cartas de recomendações precisam corroborar com o que já está na redação. As histórias precisam estar alinhadas. Na entrevista, comprove que você é o candidato que escreveu os textos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.