‘Quem sofre discriminação não tem coragem de dizer que sofreu’, diz bolsista do ProUni

A aluna Meire Rose Morais, de 46 anos, esteve presente na cerimônia de inauguração do Fórum Permanente de Inclusão Social e Ações Afirmativas. Em pedido protocolado na PUC há duas semanas, Meire solicitou, além da apuração dos fatos e punição  dos responsáveis pelos insultos dos quais foi alvo, o desenvolvimento de ações de combate ao preconceito.

Mariana Lenharo, Jornal da Tarde

10 Dezembro 2010 | 11h26

 

Veja também:

 

- ProUni: escolas discutem a discriminação

 

No início de novembro, a estudante foi agredida com comentários racistas em um grupo de e-mail por uma colega de classe, conforme noticiou o  Jornal da Tarde em 20 de novembro. “Solicito o envolvimento e que a participação seja coletiva, de alunos, professores e  funcionários. Quem sofre preconceito não tem coragem de dizer que sofreu ”, falou Meire, durante o evento.

 

"Não é fácil mostrar para todo mundo o preconceito, é muito humilhante. Saio daqui com conhecimento de causa do que é um dano moral”, completou a estudante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.