Quase 1 milhão de alunos da rede municipal voltam às aulas esta semana

As aulas na rede municipal de ensino começam nesta segunda-feira, levando cerca de 960 mil alunos às escolas de educação infantil e fundamental. Os professores já voltaram ao trabalho no dia 3, quando deram início a reuniões pedagógicas. Hoje e amanhã, muitas unidades devem promover reuniões com os pais e apresentar informes e planos de trabalho aos alunos. Dona do maior orçamento da Prefeitura (R$ 1,89 bilhão), a Secretaria Municipal de Educação tem uma pauta de questões a enfrentar que começa por um assunto interno: a ausência de um titular na pasta. Até ontem, a secretaria era chefiada interinamente por Maria Aparecida Perez, ex-chefe de gabinete de Eny Maia, que comandou a secretaria até o fim de 2002. Maria Aparecida assumiu em 8 de janeiro, depois de o professor Nelio Bizzo ter deixado o posto com apenas cinco dias de gestão. Mas a secretaria tem outras demandas. Uma delas é a ampliação de vagas, especialmente nas escolas de educação infantil (Emeis). O déficit estimado no ano passado pelo Ministério Público era de 40 mil vagas. Para alguns vereadores, pode chegar a 300 mil. "Nosso plano para este ano prevê a construção de 70 obras, entre Emeis, escolas de educação fundamental e creches", diz Maria Aparecida. Entre as obras estão os Centros Educacionais Unificados (Ceus) - complexos que reunirão salas de aula com centros de lazer e esporte. Com as obras, a Prefeitura pretende desativar algumas das 56 escolas de lata da cidade. Em 2002, das 117 obras previstas, 61 foram concluídas. A Prefeitura quer, ainda, abrir este ano uma discussão sobre como melhorar o sistema de progressão continuada adotado durante a administração de Luíza Erundina. Para alguns vereadores, o sistema se desvirtuou e se transformou em "aprovação automática", apelido dado ao sistema estadual.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.