Qualidade do exame divide opiniões

Em Minas Gerais, cerca de 52 mil universitários estavam inscritos para participar neste domingo, 12, do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade). A aluna do oitavo período de Administração da Faculdade Pitágoras, Camila Cruz, 23 anos, deixou o Colégio Padre Eustáquio, na zona oeste da capital mineira, animada. Ela considerou o exame abrangente e "muito contextualizado com o que as faculdades estão ensinando hoje"."Achei que o Enade foi condizente com as grades da faculdade e a capacitação do aluno durante os quatro anos de curso, como é o meu caso", comentou. Camila citou novas áreas de conhecimento do curso que foram abordadas, como a tecnologia informacional e marketing global, internacional. "Tiveram questões voltadas para essas áreas. Achei abrangente. Fez questão de verificar tudo mesmo que as faculdades colocam nas grades".Ela fez uma comparação com o Enem, do qual participou em 2001, quando concluiu o ensino médio. "O Enade me pareceu melhor contextualizado do que o Enem".QueixasNo último ano do curso de Economia da Universidade de Itaúna, a 85 quilômetros de Belo Horizonte, Rodnei Luiz dos Santos, 24 anos, fez o exame pela primeira vez e reclamou dos enunciados. "Achei a prova com um nível universitário bom, mas as questões um pouco confusas", disse.Ele também reclamou que questões abordadas não haviam sido ensinadas durante seu curso. "Algumas coisas abordadas eu não vi na faculdade".Já Adão Gonçalves, de 35 anos, aluno do quarto período da Arnaldo Janssen, não escondeu o desconforto com o fato de ter sido sorteado e obrigado a fazer a prova num domingo. "Pior de tudo é sair de casa em pleno domingão, pegar ônibus... Você fica privado até de sair, se divertir no sábado", reclamou o universitário, que mora na zona sul e realizou o exame no Colégio Padre Eustáquio.Por estar na metade do curso, Adão disse que não soube responder várias questões abordadas na prova. "Por isso tive dificuldade".

Agencia Estado,

12 de novembro de 2006 | 19h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.