Puccamp demite 81 professores

A Pontifícia Universidade Católica de Campinas (Puccamp) anunciou a demissão de 81 professores. A justificativa é a implantação da primeira fase do plano de carreira docente da instituição, aprovada no final do ano passado. Dos 81 demitidos, 69 eram do quadro de efetivos, com até 30 anos de serviço. Outros 12 atuavam na função de professores temporários, com contratos que expiram nesta sexta-feira. Em dezembro do ano passado, a Puccaamp já havia dispensado 130 professores. Conforme o reitor, padre Wilson Denadai, uma parte dos efetivos desligados não se enquadrou nas exigências do novo plano da categoria. Ou não atingiu a jornada mínima de 10 horas semanais de ensino, ou não obteve a aprovação de projetos de pesquisa, extensão ou de gestão de ensino de graduação. Outra justificativa é que os professores com projetos aprovados fecharam a atribuição de aulas, deixando poucas opções para os temporários que não alcançaram o mínimo de 10 horas exigidos. A lista das dispensas já foi homologada pelo Conselho Universitário. A reitoria nega uma provável crise financeira da universidade. Os professores com projetos aprovados terão 20 horas semanais destinadas ao ensino e outras 20 horas de dedicação à pesquisa ou extensão. Os temporários vão atuar com 10 horas semanais mínimas e, no máximo, com 36 horas por semana. A meta da Puccamp é ter um terço do quadro de professores em regime integral. Hoje são 750 contratados temporariamente. A universidade conta com mil professores.

Agencia Estado,

30 de junho de 2006 | 15h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.