Divulgação
Divulgação

PUC-SP abre 4 novos cursos no Ipiranga

Universidade incorpora a Unifai e aumenta a oferta de vagas a estudantes já no vestibular deste ano

Isis Brum, Jornal da Tarde

26 Outubro 2010 | 11h02

A Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) abriu no vestibular 2011 quatro novos cursos de graduação em seu mais novo câmpus, no  Ipiranga, zona sul da capital. A PUC-SP incorporou ao seu patrimônio o Centro Universitário Assunção (Unifai), localizado no número 993, da Avenida Nazaré,  em agosto deste ano.

 

No total, são 350 novas vagas, destinadas aos cursos de Administração (100), Ciências Contábeis (50), Pedagogia (80) e Teologia (120), válidas para o vestibular deste ano. Apenas Ciências Contábeis terá uma turma no período noturno. Para as demais carreiras, serão formadas turmas em dois períodos – diurno e noturno – com metade das vagas cada um.

 

As inscrições para o vestibular 2011 já estão abertas e o prazo termina no dia 16 de novembro. O cadastro é feito exclusivamente pela internet, pelo site: www.vestibular.pucsp.br. O aluno deve pagar uma taxa de R$ 120.

 

A principal novidade é o curso de Teologia, que forma estudiosos em religião. O curso estava vinculado à PUC-SP até a década de 1970, quando houve a ruptura do câmpus da universidade com a Unifai. Ambas estavam ligadas à Arquidiocese de São Paulo, mas eram mantidas por fundações religiosas distintas.

 

Expansão pós-crise

 

Anos depois da maior crise financeira da PUC-SP, que provocou atrasos em pagamentos de salários, a demissão de quase um terço do quadro de professores e funcionários e a intervenção direta da Igreja Católica na gestão da universidade, a universidade retoma seu processo de expansão.

 

Em junho, a entidade confirmou a compra do Hospital Matarazzo, na região da Avenida Paulista, em parceria com um fundo, que não foi revelado. O complexo possui 27.419 m², dos quais 9 mil m² seriam ocupados pela universidade. A PUC-SP também omitiu o valor da negociação, mas um terreno com as mesmas dimensões, naquela região, custaria entre R$ 80 milhões e R$ 100 milhões.

 

A dívida da PUC-SP chegou a R$ 300 milhões, em 2008, quando o atual reitor, Dirceu de Mello, assumiu o comando da instituição.

 

De acordo com Ayrton Grazzioli, da promotoria que cuida de fundações, o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), firmado com a PUC para saldar as dívidas, vem sendo mantido. Segundo ele, a dívida atual está estimada em R$ 100 milhões. “Os pagamentos aos bancos estão sendo feitos todos em dia e a universidade está em um processo de superávit e pode crescer um pouquinho.”

Mais conteúdo sobre:
PUC-SPEnsino superior

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.