Estadão
Estadão

PUC recorre de decisão que barrou cátedra de Foucault

Segundo representantes da Associação de Professores, recusa do Conselho Superior teria sido motivada pelo fato de as ideias do filósofo não estarem em consonância com princípios católicos

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

05 Maio 2015 | 22h37

SÃO PAULO - O Conselho Universitário da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) encaminhou nesta segunda-feira, 4, um recurso ao Conselho Superior da Fundação São Paulo, mantenedora da universidade, para reconsiderar a decisão de recusar uma cátedra para o filósofo Michel Foucault.

O conselho superior é o órgão deliberativo máximo da PUC-SP, formado pela reitora Ana Cintra, cinco bispos auxiliares da Arquidiocese de São Paulo e o cardeal d. Odilo Scherer.  Segundo representantes da Associação de Professores da PUC (Apropuc), a recusa do Conselho Superior teria sido motivada pelo fato de as ideias de Foucault não estarem em consonância com os princípios católicos.


A cátedra universitária é uma instância acadêmica destinada a fomentar o debate em torno de algum pensador ou teórico e para a preservação e atualização de seu trabalho. Foucault é conhecido por suas críticas às instituições sociais, entre elas a Igreja Católica. Além disso, era homossexual e foi uma das primeiras figuras públicas francesas a morrer por complicações da aids.

"Não se trata de dar um tratamento ideológico para o trabalho de Foucault, mas reconhecer sua importância acadêmica", disse o professor Márcio Alves da Fonseca, um dos proponentes da cátedra.

A cátedra foi proposta à universidade em 2011, quando iniciaram as negociações para que recebesse a doação de uma coletânea de áudios de aulas de Foucault no Collège de France, entre 1971 e 1984. Os áudios já estão disponíveis na biblioteca do Departamento de Filosofia da PUC desde 2012. A universidade até montou uma plataforma eletrônica para oferecer os áudios para alunos e pesquisadores e evitar a reprodução e degradação dos arquivos.

Caso não seja criada a cátedra, a universidade pode perder os áudios. "Existia uma expectativa deles (dos doadores), eu não sei quais podem ser as consequências", disse. 

Em nota, a PUC informou apenas que o assunto segue em discussão na universidade e na fundação e que uma decisão deve sair em breve. Também informou que não há qualquer prevenção ou proibição à pesquisa de Foucault ou qualquer outro pensador na universidade.

Mais conteúdo sobre:
PUCFoucault

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.