PUC negocia com professores e funcionários em greve

Os funcionários da Pontíficia Universidade Católica de São Paulo entram, nesta sexta-feira, no terceiro dia de greve. A paralisação foi decidida anteontem em assembléia. A assessoria de imprensa da instituição afirma que até o momento as aulas não foram prejudicadas e que isso só ocorreria se os alunos precisassem usar algum equipamento ou sala sob responsabilidade de funcionário ausente. Às 15 horas terá início uma reunião da reitoria com os professores, que devem decidir em nova assembléia se entrarão em greve ou não.Os funcionários reinvindicam reposição de 16,42%, correpondente ao Índice de Custo de Vida, medido pelo Dieese, entre março de 2002 e fevereiro de 2003. A reitoria aceitou pagar o índice, mas em três parcelas (em março, setembro e dezembro). A proposta foi rejeitada na assembléia conjunta de professores e funcionários. Os primeiros, porém, resolveram não aderir à greve e apresentar nova proposta. Eles querem que os 16,42% sejam pagos em duas parcelas, em março e setembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.