Clayton de Souza/AE
Clayton de Souza/AE

Público universitário inspira criação de negócios específicos

Venda de ingressos para eventos culturais, cadernos com publicidade e realização de jogos são alguns dos empreendimentos

Cris Olivette, de O Estado de S. Paulo,

27 Fevereiro 2012 | 15h47

SÃO PAULO - O público universitário tem inspirado empreendedores a criar negócios próprios. Segundo dados do Ministério da Educação, divulgados no final de 2011, essa fatia da população concentra 6,3 milhões de alunos na graduação e 173 mil na pós-graduação. Estudos da Fundação Getúlio Vargas revelam que o consumo universitário movimenta R$ 76 bilhões por ano.

 

De olho nesse segmento, o empresário Marco Antônio Affonseca investiu R$ 4 milhões para criar o Colaki. O serviço consiste na instalação, nas universidades, de quiosques que comercializam ingressos para shows, peças de teatro, pacotes de viagens para jogos universitários, feriados, palestras e cursos, além de promover gincanas e concursos culturais.

 

Lançado em 2011, o Colaki está instalado em quatro universidade de São Paulo. Para Affonseca, o jovem precisa estar perto da cultura, considerada por ele um dos pilares da educação. “Mas se a cultura não estiver no seu caminho, ele simplesmente ignora essa atividade.”

 

O presidente do diretório acadêmico da Fundação Getúlio Vargas, André Sallem, afirma que o serviço tem atraído os estudantes. “O pessoal curtiu muito a ideia, principalmente pelos descontos oferecidos.”

 

Em operação há um ano, o Colaki já vendeu 30 mil ingressos, volume suficiente para Affonseca recuperar o capital investido. Apesar de receber frequentemente pedidos para a abertura de franquia, o empresário prefere esperar o serviço se consolidar na capital. “Até o final de 2012, pretendo abrir mais 13 pontos em universidades da grande São Paulo, e facilitar o acesso à cultura para mais de 180 mil jovens.

 

Já o publicitário Caio Infante, identificou uma oportunidade de negócio numa prática inédita no Brasil, mas comum em outros países – cadernos universitários personalizados, distribuídos gratuitamente aos alunos, com espaços publicitários reservados a patrocinadores.

 

O Q Caderno! chegou ao mercado no segundo semestre de 2011, com uma tiragem de 500 exemplares. Em 2012 a tiragem foi de sete mil exemplares, e o material foi distribuído no momento da matrícula a alunos de cinco universidades paulistanas. “Investimos R$ 100 mil, mas com as duas tiragens iniciais já faturamos R$ 150 mil”, comenta Infante, que espera recuperar o investimento com a próxima tiragem.

 

Infante explica que a capa frontal do caderno contém o logotipo da própria universidade. Já a contracapa e as divisórias, apresentam anúncios de celulares, roupas, veículos, escolas de idiomas etc. Segundo o empresário, com o Q Caderno!, as faculdades ganharam um canal de relacionamento e de fidelização do aluno, e os anunciantes encontraram uma forma de manter contato direto com o público jovem, garantindo a exposição diária de suas marcas durante seis meses.

 

Atrair e criar produtos para o público universitário, no entanto, não é uma novidade para os três sócios da Arena Universitária, empresa especializada na realização de jogos e eventos universitários. Gustavo Amaral, um dos sócios da empresa, pertence a uma família que possui casas de eventos há muitos anos. “No começo dos anos 1990, ele resolveu explorar os dias de menor movimento nesses espaços, criando promoções para o público universitário”, conta André Biazzo, sócio da Arena.

 

A iniciativa emplacou e Amaral passou a reunir mais de 5 mil estudantes nas noites de domingo e terça-feira no Moinho Santo Antônio. “Ele percebeu nesse nicho uma grande oportunidade, já que o segmento era carente de eventos com produção elaborada”, explica Biazzo.

 

Após identificar as necessidades dos universitários, os sócios criaram, além da Arena, outras empresas nas áreas de eventos, formatura, foto e filmagem, dando origem ao Grupo Amaral Produções. A Arena Universitária tem 80 funcionários e faturou R$ 35 milhões em 2011.

 

Dados do setor

 

6,3 milhões

É o número atual de estudantes na graduação em todo o País, segundo o censo da educação superior divulgado pelo Ministério da Educação no final de 2011

 

3 milhões

Era o número de estudantes universitários matriculados em 2001

 

R$ 76 bilhões

É quanto movimenta o mercado formado pelos universitários, segundo a FGV

 

R$ 1.100,00

É o valor médio da mensalidade nas faculdades particulares, segundo a empresa Q Caderno!

Mais conteúdo sobre:
Universitário Negócios

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.