HELVIO ROMERO|ESTADAO
HELVIO ROMERO|ESTADAO

Provas do Enem são levadas a pontos de armazenamento em vários Estados

As 18 milhões de provas impressas para o Enem 2016 ficarão armazenadas sob proteção do exército brasileiro

O Estado de S. Paulo

05 Outubro 2016 | 19h39

SÃO PAULO - As 18 milhões de provas impressas para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foram expedidas nesta quarta-feira, 5, para serem armazenadas em diversos Estados brasileiros, sob proteção do exército brasileiro. O número e o nome dos Estados que vão guardar as provas não foram divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

O primeiro carregamento saiu em um caminhão dos Correios, escoltado pelo Polícia Rodoviária Federal. As provas do exame serão aplicadas nos dias 5 e 6 de novembro.

Também foi realizada uma reunião entre o Ministério da Educação (MEC), o Inep e os órgãos envolvidos na organização do Enem para "alinhar a operacionalização logística da distribuição" das provas. De acordo com Maria Inês Fini, presidente do Inep, a segurança do exame é mais sofisticada atualmente do que nas primeiras edições. 

"Nós mesmos cuidávamos da segurança, da diagramação da prova e da organização dos colaboradores. Era algo muito novo para o próprio Inep. Hoje, o envolvimento de tantos órgãos de segurança nos garante tranquilidade. Com os anos, construímos sofisticados mecanismos para entrega dessa prova, com parceiros muito bem preparados para garantir a continuidade do trabalho iniciado no Inep", disse Maria Inês.

Prova. O Enem deste ano teve 8.627.195 de inscrições. Mais de 700 mil pessoas estão envolvidas na aplicação das provas, entre coordenadores estaduais e municipais, coordenadores de local de aplicação e assistentes, chefes de salas e aplicadores, e aplicadores especializados. A prova será aplicada em 1.727 municípios e 17 mil locais de prova. Para chegar a tantos pontos, serão 6,1 mil rotas de distribuição percorrendo 309 mil quilômetros, segundo o Inep.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.