Reprodução site Prouni
Reprodução site Prouni

ProUni terá 169 mil bolsas no 2º semestre, 25% em cursos a distância

Inscrições começam nesta terça-feira, 11; Podem se inscrever participantes da última edição do Enem

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2019 | 19h08

SÃO PAULO - O Programa Universidade para Todos (ProUni) irá ofertar 169.226 bolsas de estudo em instituições privadas de ensino superior para o segundo semestre deste ano. As inscrições no site começam nesta terça-feira, 11, e vão até sexta-feira, 14.

Um quarto das vagas oferecidas - 41.763 - é em cursos de graduação a distância. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira, 10, pelo Ministério da Educação

O programa tem bolsas integrais e parciais (ou seja desconto de metade do valor da mensalidade) para cursos presenciais e a distância. No entanto, as bolsas integrais estão concentradas nos cursos a distância -  68.087 bolsas integrais, 34.903 (51%) são nessa modalidade. 

Segundo Antonio Paulo Vogel, secretário-executivo, a oferta de bolsas é definida por opção das universidades particulares, mas também deve seguir critérios do programa - um deles é que a oferta de bolsas deve ser em todos os cursos ofertados pela instituição. "O EAD (ensino a distância) é permitido pela legislação e tem sua forma de ser avaliada. A gente não pode desprezar a tecnologia que está disponível no mundo todo. Não cabe a nós dizer aqui se é melhor ou pior, existe avaliação para isso", disse. 

Cursos a distância tem custo consideravelmente menor do que os presenciais. 

Inscrições

Podem se inscrever participantes da última edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) que tiveram nota mínima média de 450 pontos e não terem zerado na redação. Também é necessário comprovar baixa renda. Para concorrer a bolsas integrais, os candidatos precisam ter renda familiar per capita de até um salário mínimo e meio. As parciais são reservadas para quem têm renda de até três salários mínimos por pessoa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.