SUAMY BEYDOUN|AGIF|PAGOS
SUAMY BEYDOUN|AGIF|PAGOS

Protesto de estudantes contra reforma do ensino médio termina em confusão

Manifestantes realizaram um 'catracaço' na estação República do Metrô e houve confusão com seguranças; um menor foi encaminhado para a delegacia

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

18 Outubro 2016 | 14h55

SÃO PAULO - Um protesto de estudantes, contra a reforma do ensino médio, terminou em confusão no centro de São Paulo no início da tarde desta terça-feira, 18. Após um ato, que seguiu da avenida Paulista até a praça da República, os jovens tentaram fazer um "catracaço" no metrô - pular as catracas sem pagar a passagem - e foram impedidos pelos seguranças. 

Houve uma discussão dos estudantes com os seguranças e, durante a tentativa de pular as catracas, alguns foram agredidos com cassetetes pelos agentes. De acordo com os manifestantes, um adolescente de 15 anos foi apreendido pelos próprios seguranças e levado para a Delegacia de Polícia do Metropolitano (Delpom). Ele é acusado de lesão corporal e dano, mas, segundo policiais civis, já foi liberado. 

O advogado Ariel de Castro Alves, membro do Conselho Estadual de Direitos Humanos (Condepe) e que acompanhou o jovem apreendido, disse que o estudante foi acusado pelos seguranças de ter jogado um cone em um dos agentes. Segundo Alves, o jovem negou a agressão. Apesar de ter sido liberado pela Polícia Civil, o estudante terá que se apresentar na Vara da Infância e Juventude do Brás, na quarta-feira, 19. 

O ato, organizado pelo movimento Secundaristas em Luta, começou por volta das 11h, em frente ao Masp. Eles ocuparam uma das faixas da avenida Paulista e depois seguiram até a praça da República, em frente à Secretaria Estadual da Educação. O protesto foi acompanhado pela Polícia Militar e seguiu tranquilo até os estudantes entrarem na estação República do metrô. 

"Depois do ato, decidimos em assembleia fazer um novo protesto que era o 'catracaço', mas fomos impedidos pelos seguranças. Eles agrediram muitos estudantes com cassetetes", disse Daniel Cruz, diretor da União Paulista dos Estudantes Secundaristas (Upes). 

A reforma do ensino médio foi anunciada em setembro pelo governo Michel Temer (PMDB) e, desde então, vem motivando diversos protestos de estudantes pelo país. De acordo com a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), em todo o Brasil já são 672 instituições de ensino ocupadas por alunos contra a reforma e a PEC 241. 


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.