HÉLVIO ROMERO / ESTADÃO
HÉLVIO ROMERO / ESTADÃO

'Prometi não falar mal do ministro da Educação, senão ele não cai', diz Maia

Maia e Weintraub já protagonizaram embates públicos. Em fevereiro, o deputado fez ataques diretos a Weintraub ao acusá-lo de “brincar” com o futuro das crianças

Camila Turtelli e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2020 | 18h14

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), evitou fazer comentários sobre o ministro da Educação, Abraham Weintraub, durante um evento sobre educação nesta segunda-feira, 9, em Brasília e deixou claro o motivo. “Ao aceitar o convite (para o evento), prometi não falar mal do ministro da Educação, senão ele não cai”, disse Maia, provocando risos na plateia.

Maia e Weintraub já protagonizaram embates públicos. Em fevereiro, o deputado fez ataques diretos a Weintraub ao acusá-lo de “brincar” com o futuro das crianças. “Fiz apenas uma crítica (a Weintraub), pois fui perguntado. Minha opinião pessoal não interfere na minha relação com o governo”, minimizou Maia na época.

No evento, Maia participou do evento para falar sobre pautas relacionadas à educação na Câmara, principalmente o Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) que deve ser votado nos próximos dias.

O relatório da deputada Dorinha Seabra (DEM-TO) estabelece um crescimento escalonado nos aportes da União, hoje de 10% da participação dos estados e municípios. Em 2021, seriam 15%. Em seguida, o índice seria acrescido de 1% ao ano, até alcançar os 20% em 2026. O governo deve enviar sugestões para alterar o texto, mas o presidente da comissão, deputado Bacelar (Pode-BA), considera que os parlamentares estariam dispostos a, no máximo, estender o prazo.

Maia disse ainda durante o evento ter certeza de que, com maior ou menor participação do governo nas negociações, a comissão especial formulará um “ótimo texto” sobre a questão do Fundeb. Segundo ele, a discussão precisa ter um desfecho até abril para dar tempo de o Senado debater o tema até o fim do ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.