Projeto com estudantes transforma Parque Santo Antonio

Alunos de Arquitetura e Design de todo o País vão mudar paisagem do bairro da zona sul da cidade

Carolina Stanisci, Especial para o Estadão.edu

21 Julho 2010 | 17h04

Desde segunda-feira, trinta estudantes de Arquitetura e Design de todo o Brasil frequentam, diariamente, o Parque Santo Antonio, na zona sul da cidade. Lá, eles tomam café, almoçam e jantam na comunidade.

 

A partir de conversas com moradores, vão decidir que tipo de intervenção pode ser feita no local para deixá-lo mais bonito. No sábado, todos põem a mão na massa para executar os projetos.

 

Chamado de A Gente Transforma, o projeto nasceu de uma ideia do designer Marcelo Rosenbaum. Ele conhecia ONGs que atuam na área, como a Casa do Zezinho e o Instituto Elos. Conhecia também diretores de marketing de empresas. Decidiu apresentar ONGs e comunidade aos estudantes brasileiros. "Quem vai trabalhar com essa gente no futuro? Os universitários", conclui Rosenbaum.

 

O designer selecionou 30 alunos de Design e Arquitetura, por meio de um concurso virtual. Em várias etapas, os estudantes tinham que se apresentar em um vídeo e sugerir uma ideia de transformação em sua cidade. 

 

 

EM FORTALEZA

A estudante de Arquitetura da Unifor Raquel Morano, de 20 anos, foi uma das selecionadas. Ela escolheu transformar a favela do Sossego, no bairro de Antonio Bezerra, periferia de Fortaleza.

 

Raquel apenas precisava conhecer os líderes da comunidade, sugerir as mudanças e, depois, realizá-las. Empolgada com o projeto, foi mais longe. Pediu ajuda a amigos da faculdade e fez oficinas de reciclagem, recreação para os moradores. Ensinou sua especialidade favorita - flores para enfeite feitas a partir de garrafas PET. Pintou os bancos da praça, capinou o local.

 

Tudo isso Raquel registrou e mostrou à equipe do A Gente Transforma. Foi convocada para o time.

"Na seleção, vendo os vídeos, a gente até chorou", conta Rosenbaum. O designer comenta que os estudantes entraram de cabeça e conseguiram dinheiro para fazer as transformações. 

 

Algumas intervenções já foram combinadas: as casas ao redor do Campo do Astro - campo de futebol usado pela comunidade - serão pintadas. Rosembaum diz que o restante terá de ser decidido entre a comunidade e estudantes. Como o que, por exemplo? "Não sei, mas sei que eles também têm que conseguir o material."

 

 

 

DA INGLATERRA

Os outros 29 estudantes escolhidos por Rosenbaum vêm de faculdades de todo o País, como a Belas Artes (SP), Gama Filho (RJ) e UniRRiter (RS).

 

Cinco alunos ingleses também estão por aqui. Eles não participaram da seleção, mas foram escolhidos depois que Rosenbaum esteve em Londres e entrou em contato com Tord Bondje, coordenador do curso da Royal College of Arts.

 

"Contei para ele do projeto e esses estudantes estão vindo para cá, com tudo pago pelo STB", diz Rosenbaum, que ressalta a participação de patrocinadores, como a Suvinil e Vivo, e apoiadores, como STB, Votorantin e Nike, como fundamentais para tocar o A Gente Transforma.

 

 

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.