Programação vira ferramenta de aprendizagem

Programação vira ferramenta de aprendizagem

Estudantes integram o projeto Programaê, que ensina a usar recurso em disciplinas clássicas, como português, matemática e história

Leon Domarco Botão, Especial para O Estado

03 Dezembro 2014 | 03h00

Trezentos estudantes da Grande São Paulo encontraram na linguagem de programação de computadores uma ferramenta de aprendizagem. Eles integram o projeto Programaê, que ensina a usar o recurso em disciplinas clássicas, como português, matemática e história. A iniciativa foi colocada em prática em abril e, em seis meses, conseguiu 2,3 milhões de acessos no site, onde profissionais de todas as áreas podem ter a primeira experiência na área digital.

De acordo com o coordenador do Programaê, Lucas Rocha, de 26 anos, o objetivo principal é mostrar às pessoas, sobretudo aos estudantes, que a tecnologia pode e deve ser controlada pelo ser humano. “O jovem deve usar a programação para aprender - e não apenas aprender a programar”, afirma Rocha. Ele diz que são duas as frentes principais de trabalho: levar a programação para salas de aula e proporcionar a experiência online e gratuita por meio do site www.programae.org.br.

O Programaê já está sendo aplicado em seis projetos na Grande São Paulo e, a partir de 2015, deve ser usado também em escolas, segundo o coordenador. Nas escolas, haverá planos de aula para que os educadores apliquem a programação em várias áreas, também de forma gratuita. “O desafio de criar aplicativos para aprendizado faz o professor conseguir prender a atenção dos alunos”, explica Rocha

No distrito de São Miguel Paulista, na zona leste de São Paulo, jovens de 16 a 20 anos utilizam o Programaê no Instituto Tide Setubal. Há dois meses, produzem um aplicativo de celular para auxiliar nos projetos de comunicação comunitária que eles desenvolvem fora do horário da escola regular.

Segundo o participante do projeto Rodrigo Hermógenes Batista, de 18, o grupo planeja conscientizar estudantes do bairro sobre a importância cultural do funk. “Faremos um aplicativo com um quiz sobre o ritmo e sua história, além de um concurso de letras com temática social. A melhor letra será escolhida em uma votação feita por meio do aplicativo”, explica o jovem, que sonha em trabalhar com tecnologia quando terminar o ensino médio.

“Quero cursar engenharia mecânica e sei que tudo que aprendi aqui será muito útil na vida profissional”, afirma Batista. Ele defende que a programação é interessante para todos os profissionais. “Hoje o mundo gira em torno da tecnologia. Até professores de matemática e português podem usar esses recursos, com a criação de uma calculadora, ou um corretor ortográfico automático, por exemplo.” 

De acordo com Tiago Maluta, consultor do Programaê, a programação como ferramenta de ensino dá aos alunos uma nova linguagem, que pode ser comparada a um idioma. “Por conhecer a linguagem universal da programação, agora me sinto mais preparado”, concorda o aluno Batista

Na análise do doutorando em Engenharia da Computação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Samuel Henrique Buck Brito, o ensino de programação a estudantes desenvolve a parte cognitiva e lógica. “Essa linguagem permite que eles encarem problemas de maneira mais estruturada e padronizada, ou seja, formalizando o que é questionado antes de buscar uma solução”, explica. “Todas as áreas podem ganhar com a programação, mas é preciso um critério pedagógico na aplicação, assim como para todos os recursos tecnológicos que são levados à sala de aula. Não se pode esquecer de alguns métodos clássicos de ensino, mas é preciso inovar com responsabilidade.”

Aluno da Unimep, Leon Domarco Botão foi finalista do 9º Prêmio Santander Jovem Jornalista

A fase final e a cerimônia de premiação ocorreram na segunda-feira, na sede do banco, com a participação dos diretores de Conteúdo e Desenvolvimento Editorial do Grupo Estado, Ricardo Gandour e Roberto Gazzi, respectivamente, e de Marcos Madureira, vice-presidente executivo de Comunicação, Marketing, Relações Institucionais e Sustentabilidade do Santander Brasil.  Rossetto e os outros cinco universitários finalistas - Leon Domarco Botão (Unimep), Rafaela Tavares Kawasaki (Unitoledo), Natasha Kawanishi Mazzaro (PUC-SP), Juliana Verri Ribeiro (Unitau) e Lucas Gabriel Santiago Rangel (Faat) - receberam laptops e garantiram a publicação de suas matérias. A reportagem do vencedor também está hoje no jornal O Estado de S. Paulo. 

Confira os textos de todos os finalistas: 

Sem fronteiras para a educação

Internos da Fundação Casa estudam com ajuda de plataforma

Com os smartphones, educação tem novas possibilidades

Games ganham espaço nas salas de aula

Em site, indígenas ensinam sua história

Mais conteúdo sobre:
programação

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.