Programa do Primeiro Emprego deve estimular a escolaridade

O Programa do Primeiro Emprego, a ser encaminhado pelo governo federal no próximo mês ao Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) vai priorizar a preparação do jovem para o mercado de trabalho. Entre as etapas do programa está a participação em experiências em condomínios de empreendedorismo e a prestação de serviços ao próprio governo. Todo participante deve estar matriculado e freqüentando escolas.A informação foi dada em São Paulo pelo secretário de Emprego e Salário do Ministério do Trabalho, Carlos Augusto Gonçalves, que participou nesta quarta-feira de seminário sobre comissões municipais de emprego. "O princípio básico é de ampliação da presença do jovem na escola enquanto é preparado para o mercado de trabalho", explicou.Ele admitiu que o programa não resolve o problema de inserção dos jovens no mercado de trabalho do País e explicou que o programa será voltado exclusivamente para jovens de baixa renda familiar e baixo nível de escolaridade. "Esse grupo representa 75% dos jovens desempregados ou que sofrem precariedade no emprego em todo País", informou.O texto do projeto já foi encaminhado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e demais ministérios e, conforme o relato do secretário, deverá receber contribuições dos ministros até a próxima sexta-feira. Após a recepção das propostas, o Ministério do Trabalho terá quinze dias para consolidar a última proposta e encaminhá-la ao CDES. Gonçalves lembrou que a formatação do projeto sofreu atrasos. Uma das razões foi a pesquisa que o Ministério do Trabalho fez para levantar quantos projetos voltados para juventude estavam em discussão ou implementação dentro do governo federal."Descobrimos que nove ministérios possuíam programas voltados para juventude, num total de 21 programas. Isso mostra o problema de ausência de articulação dentro do próprio governo na definição de políticas públicas", comentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.