Professores vão aprender física no parque

Vambatê, Parangolé, Jambalaia. Alguns dos brinquedos mais disputados pelos freqüentadores do parque Hopi Hari vão servir como ferramenta para a capacitação de 2 mil professores de física da rede estadual paulista. As atividades, que começam em abril, integram um protocolo de intenções assinado na quarta-feira pelo secretário de Estado da Educação, Gabriel Chalita.No projeto de capacitação, que faz parte do Laboratório Educativo Hopi Hari, a idéia é que, brincando e observando os brinquedos, os professores estudem temas ligados às leis da física, como queda livre, energia mecânica, potência, temperatura de corpos e choques. "Acho que isso vai ser muito interessante porque a gente quer mostrar cada vez mais que o processo educativo pode ser prazeroso e envolvente", disse Chalita.Durante o período de aprendizado dos professores, os alunos poderão se divertir em todos os brinquedos. O primeiro grupo a ser levado, segundo ele, é de alunos matriculados na região do parque, e a idéia é ampliar as visitas ao longo dos meses.O secretário lembrou ainda que não existe matéria chata. "A gente tem afirmado, brincando com os professores, que não existe matéria chata. Às vezes tem um professor chato, que transforma aquela disciplina numa coisa ruim. E o professor não tem culpa disso porque ele precisa de instrumentos."Segundo Chalita, nessa primeira fase de capacitação, o tema será somente sobre física. No entanto, ele garantiu que vai continuar com um projeto que fornece, gratuitamente, ingressos para professores irem ao parque. "Só em 2002 nós conseguimos dar 100 mil ingressos e faremos isso novamente esse ano".

Agencia Estado,

25 de março de 2004 | 14h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.